Cerca

Vatican News
Simplesmente cristãos. A vida e a mensagem dos beatos monges de Tibhirine Simplesmente cristãos. A vida e a mensagem dos beatos monges de Tibhirine 

Cardeal Becciu: Tibhirine, o martírio do amor

Na segunda-feira, 19 de novembro, na Sala Marconi, será apresentado à imprensa o livro "Simplesmente cristãos. A vida e mensagem dos beatos monges de Tibhirine", editado pela Livraria Editora Vaticana - Dicastério para Comunicação

Barbara Castelli – Città del Vaticano

"A força da mensagem de Tibhirine hoje para a Igreja consiste no convite a colocar a dimensão espiritual no centro de cada ação familiar, social, etc. Esta "irrigação" interior da vida em todas as suas dimensões é o legado que estes irmãos monges nos transmitem, "simplesmente cristãos".

Com estas palavras, no prefácio, o cardeal Angelo Becciu, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, sintetiza a beleza e a atualidade do livro "Simplesmente cristãos. A vida e mensagem dos monges Beatos de Tibhirine" de Thomas Georgeon e François Vayne.

O livro, editado pela Livraria Editora Vaticana - Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, será apresentado na segunda-feira, 19 de novembro, no Sala Marconi do Palazzo Pio, às 17h00. Irão se pronunciar o cardeal Angelo Becciu; François Vayne - diretor do Departamento de Comunicação da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém, que passou sua adolescência na Argélia, e que conheceu os monges; frei Giulio Cesareo, responsável editorial da LEV; e o padre Thomas Georgeon, postulador da causa da canonização dos mártires da Argélia, que darão sua contribuição em vídeo.

O martírio do amor

 

Em suas mais de 170 páginas, a obra oferece uma contribuição valiosa sobre a  vida e a mensagem dos sete monges trapistas,  vítimas da guerra civil na Argélia. Na noite entre 26 e 27 de março de 1996, um comando armado invadiu o mosteiro de Notre Dame do Atlas, fundado em 1938 em Tibhirine, próximo da cidade de Médéa, 90 km ao sul de Argel, sequestrando sete monges, todos de nacionalidade francesa.  

O sequestro foi reivindicado pelo Grupo Islâmico Armado, que após negociações infrutíferas, assassinou barbaramente os religiosos em 21 de maio do mesmo ano. A história também é contada no filme "Men of God", premiado em 2010 no Festival de Cinema de Cannes, no qual o diretor Xavier Beauvois reconstrói o que levou esses religiosos a optar por permanecer próximos ao povo argelino.

“ Se acontecesse comigo um dia (e poderia ser hoje) de ser vítima do terrorismo que parece querer envolver agora todos os estrangeiros que vivem na Argélia, eu gostaria que minha comunidade, a minha Igreja, a minha família recordassem que minha vida foi doada a Deus e a este país. Que soubessem associar esta morte a tantas outras igualmente violentas, deixadas na indiferença e no anonimato. (Testamento espiritual do irmão Christian de Chergé) ”

Em 8 de dezembro, a Igreja terá novos Beatos

 

Na década de 1990, o país do norte da África foi dilacerado pelo conflito entre os islamitas da Frente Islâmica de Salvação e os militares de Argel. A história de Paul, Michel, Christophe, Bruno, Célestin, Luc e Christian é a mais conhecida, mas o ódio provocou numerosas outras vítimas.

 

A última publicação de LEV foi realizada para marcar a beatificação de Dom Pierre Claverie e outros 18 mártires, mortos em circunstâncias diferentes. A celebração será realizada em Oran, na Argélia, no dia 8 de dezembro, no Santuário de Notre-Dame Santa Cruz.

Em 26 de Janeiro de 2018, de fato, o Papa Francisco autorizou a Congregação para as Causas dos Santos a promulgar o martírio dos Servos de Deus Peter Claverie, da Ordem dos Pregadores, bispo de Oran, e 18 companheiros, religiosos e religiosas, mortos por ódio à fé, de 1994 a 1996.

A redação francesa do Vatican News, entre 7 e 9 de dezembro, irá acompanhar com seu próprio enviado, Cyprien Viet, as celebrações relacionadas com a beatificação, a ser presidida pelo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos.

A LEV e a Coleção Inspirações

 

A Coleção Inspirações quer ser um lugar de encontro eclesial para ajudar no discernimento a viver e testemunhar o amor que nos faz todos um. Precisamente por esta razão, os fiéis podem expressar este mesmo amor com palavras e gestos sempre novos, porque inspirados pelo Espírito d’Aquele que disse: "Eis que faço novas todas as coisas" (Ap 21,5).

15 novembro 2018, 10:34