Versão Beta

Cerca

Vatican News
Primeiro briefing na Sala de Imprensa da Santa Sé sobre os trabalhos sinodais Primeiro briefing na Sala de Imprensa da Santa Sé sobre os trabalhos sinodais 

Briefing sinodal: Igreja quer sonhar com os jovens e caminhar com eles

O prefeito do Dicastério vaticano para a Comunicação, Paolo Ruffini, apresentou aos jornalistas os muitos temas tocados: o do descarte, da afetividade e da sexualidade, bem como das migrações e da vocação, “no sentido mais amplo: a vocação à dimensão mais bonita e espiritual da vida, a relação com Deus”. Não por último, o tema da “credibilidade da Igreja”.

Cidade do Vaticano

Realizou-se no início da tarde desta quinta-feira (04/10), na Sala de Imprensa da Santa Sé, o primeiro briefing dedicado à XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos. Com o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, o encontro sinodal teve início no Vaticano na quarta-feira, 03 de outubro, e prosseguirá até o próximo dia 28.

Ouça e compartilhe!

Desejo constante de sonhar com os jovens

 

Presente no briefing o prefeito do Dicastério vaticano para a Comunicação e presidente da Comissão sinodal para a Informação, Paolo Ruffini; a colaboradora do secretário especial do Sínodo e docente de Sociologia e processos culturais e comunicativos da Universidade Católica de Milão, Chiara Giaccardi; o bispo de Quilmes e padre sinodal eleito pela Conferência episcopal argentina, Dom Carlos José Tissera; e o jovem vietnamita, auditor no Sínodo, Joseph Cao Huu Minh Tri.

Os 25 pronunciamentos feitos até a segunda Congregação Geral na Sala do Sínodo evidenciaram o “desejo constante de sonhar com os jovens, para fazer a Igreja caminhar com eles”, disse Ruffini.

Discernimento e credibilidade da Igreja

 

O prefeito do referido Dicastério vaticano apresentou aos jornalistas os muitos temas tocados: o do descarte, da afetividade e da sexualidade, bem como das migrações e da vocação, “no sentido mais amplo: a vocação à dimensão mais bonita e espiritual da vida, a relação com Deus”. Não por último, o tema da “credibilidade da Igreja”.

Durante alguns testemunhos, precisou Ruffini, foi reiterado um pedido de perdão, não somente pela questão “dos abusos”, mas também por todas as vezes que a Igreja “não esteve à altura de seus deveres”.

Discernir e caminhar realmente juntos

 

Em uníssono, os participantes do Sínodo expressaram satisfação pelo pedido do Papa Francisco a um intervalo de silêncio de três minutos entre um pronunciamento e outro: uma escolha “útil” para discernir, disse Dom Tissera, e “caminhar realmente juntos”.

“O Sínodo não é um parlamento, mas um lugar de discernimento; um lugar espiritual, não um debate de ideias”, disse o diretor da revista jesuíta “La Civiltà Cattolica” e secretário da Comissão sinodal para a informação, Pe. Antonio Spadaro.

Coerência e concretude

 

O bispo de Quilmes precisou em seguida que este Sínodo “é um momento privilegiado para a Igreja” para colocar-se à “escuta” dos jovens, que representam “uma bênção”, uma escuta capaz também de perceber seus silêncios.

Esta “oportunidade”, prosseguiu o prelado, deve sobretudo permitir à Igreja oferecer aquela coerência que os jovens buscam, ajudar e favorecer “o encontro entre Jesus e os jovens”.

De fato, os bispos, os sacerdotes representam “intermediários” desta amizade e devem recordar aos jovens que a vida deles é preciosa e que não estão sozinhos, acrescentou.

Jovens: encontrar “as verdadeiras paixões da vida”

 

Ao tomar a palavra no briefing, Chiara Giaccardi evidenciou a concretude dos testemunhos pronunciados na Sala do Sínodo, e a tangível vontade de colocar-se à escuta. Por sua vez, o jovem auditor vietnamita expressou a alegria de participar deste encontro sinodal e fez votos de que a Igreja ajude sempre mais os jovens, para além das muitas dificuldades, a encontrar “as verdadeiras paixões” da vida.

04 outubro 2018, 17:39