Versão Beta

Cerca

Vatican News

Pe. Alexandre fala sobre trabalho na Comissão de Redação do Sínodo

Convidado a colaborar na Comissão de Redação do Sínodo a pedido do Santo Padre, Pe. Alexandre Awi Mello diz que é um grande comprometimento.

Amábile Corrêa, Silvonei Protz – Cidade do Vaticano

Segue, no Vaticano, a XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos dedicada aos jovens. Iniciado em 03 de outubro, o Sínodo prosseguirá até o dia 28 deste mês.

Durante os trabalhos dos padres sinodais, o Pe. Alexandre Awi Mello, secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, foi convidado pelo Santo Padre a participar da Comissão de Redação. “É certamente uma grande responsabilidade”, diz o padre.

“A possibilidade de colaborar na comissão de redação a pedido do Santo Padre é certamente também uma grande responsabilidade e a gente, sem dúvida, não está ali em nome próprio, mas sim, representando, no meu caso, em primeiro lugar o Dicastério para os Leigos, Família e a Vida. Ao mesmo tempo, também representando a Igreja no Brasil que tem uma experiência tão longa e fecunda de trabalho com a juventude. Espero que de alguma maneira a gente possa ser um catalisador de todas as inquietações do Sínodo. Na verdade, quem escreve são os padres sinodais. A colaboração da comissão de redação é justamente para dar um corpo e uma unidade as todas ideias tão ricas que estão surgindo nesse Sínodo”.

O Pe. Alexandre Awi Mello também comenta sobre as análises neste momento em que acontece os trabalhos do Sínodo.  

“Sem dúvidas, o Sínodo está com um clima muito bom. Se nota a vibração e alegria própria da juventude que contagiou claramente os padres sinodais. Percebo que há uma vontade muito grande de estar a serviço da juventude, de escutá-la e de acompanhar seu processo de discernimento em relação a vontade de Deus para cada jovem. Por isso, quando eu fiz meu intervento, falei justamente sobre essa realidade do acompanhamento. Que uma escuta sem acompanhamento pode gerar uma desilusão, pode ser simplesmente algo forçado, mas a importância de que acreditemos realmente que as perguntas que os jovens fazem, e devemos ajudá-los no caminho de discernimento, da resposta que Deus quer para a vida deles a partir dessas perguntas”.

11 outubro 2018, 14:33