Versão Beta

Cerca

Vatican News
Coletiva com jornalista nas Sala de Imprensa da Santa Sé Coletiva com jornalista nas Sala de Imprensa da Santa Sé 

Em coletiva no Vaticano, Dom Jaime Spengler destaca problema das drogas no Brasil

Na coletiva de imprensa, ao final dos trabalhos sobre a segunda parte do Instrumentum Laboris da XV Assembléia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, pronunciaram-se, entre outros, o arcebispo de Porto Alegre, Dom Jaime Spengler, que destacou o trabalho extraordinário da Igreja ao tentar ajudar os jovens a saírem do túnel das drogas.

Amedeo Lomonaco - Cidade do Vaticano

"Como Igreja estamos acostumados a uma linguagem tradicional", mas hoje "é preciso encontrar uma outra linguagem que seja compreensível para os jovens". Foi o que defendeu o cardeal Louis Raphael I Sako, patriarca de Babilônia dos Caldeus e líder do Sínodo da Igreja Caldeia, ao falar na coletiva de imprensa na Sala de Imprensa da Santa Sé.

O Sínodo é uma escola

 

O Sínodo - observou o cardeal Sako - é uma escola onde aprendemos muito e os Círculos Menores são, em particular, uma extraordinária experiência de diálogo que "ajudará a mudar a pastoral."

"O Sínodo - explicou ainda - não é um parlamento político". "É importante o que trazemos aos nossos jovens", ouvindo suas esperanças e medos. "A Igreja - declarou ele - saiu do palácio, está muito mais próxima e solidária com o mundo".

Ajude os cristãos a permanecer no Oriente Médio

 

Referindo-se à guerra na Síria, o patriarca de Babilônia dos Caldeus enfatizou que "é preciso encorajar os cristãos a permanecer no lugar, ajudá-los a ter um emprego e a reparar suas casas". O governo americano, acrescentou, até agora fez promessas, anúncios.

Como exemplo de progresso no diálogo entre cristãos e muçulmanos, o cardeal Sako também recordou que nos últimos anos "nas mesquitas, na sexta-feira, havia um discurso contra os cristãos e judeus". "Agora é uma coisa rara".

O Sínodo é um manual para a vida

 

O cardeal Peter Turkson, prefeito da Congregação para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, ressaltou que cada criança tem necessidade de "um manual para a vida", para que possa encontrar o seu próprio lugar na sociedade. "O Sínodo – disse o purpurado ganês - faz parte de um trabalho que pode ajudar os jovens a colocar juntos o seu manual para a vida". "Nós – acrescentou ele - pedimos aos jovens que escutem".

O flagelo das drogas

 

Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre, recordou que há uma chaga que aflige muitos jovens na América do Sul: é o drama das drogas. No Brasil - disse ele - "existem setores e forças políticas que querem a liberalização de certos tipos de drogas. E a sociedade não se compromete em acompanhar essas pessoas. São resíduos, os crucificados de hoje que a sociedade tem dificuldade em olhar".

A Igreja na América do Sul está comprometida, nesta área, em um trabalho extraordinário e está tentando ajudar os jovens a saírem do túnel de drogas. Mas "há tantas famílias vivendo essa realidade difícil".

Protagonistas, não espectadores

 

Irmã María Luisa Berzosa González, diretora de "Fe y Alegria", na Espanha, disse que esta é a sua primeira experiência no Sínodo: "Eu me senti envolvida, porque eu quero defender a Igreja de dentro e não ser uma espectadora."  "Que a Igreja - acrescentou ela - esteja mais presente como o povo de Deus, não somente como uma hierarquia."

Irmã María Luisa Berzosa González também espera que nas próximas assembleias sinodais possa participar um número maior de mulheres. "Estou feliz – disse ao concluir - que os abusos apareçam, temos que nos purificar. Mas isso também me faz sofrer: mesmo em minha Congregação tem havido momentos difíceis".

Elaboração do documento final

 

Paolo Ruffini, prefeito do Dicastério para a Comunicação, recordou os temas que marcaram o dia de hoje. Foi dado um grande espaço ao fenômeno das migrações e entre as propostas surgidas estava a de "criar uma rede de paróquias em todo o mundo". "As paróquias não são mais suficientes para os jovens, que estão acostumados à conectividade sem fronteiras".

Paolo Ruffini também recordou que "está se reunindo a Comissão para a redação do documento final". Haverá uma redação provisória do documento  - antecipou -  que será então discutida na Sala, onde "mudanças poderão ser propostas, sugestões". O documento final "será lido integralmente no último dia do Sínodo e depois votado ponto por ponto".

Ouça e compartilhe!
16 outubro 2018, 18:51