Versão Beta

Cerca

Vatican News
2018.10.05 Briefing Sinodo Briefing do Sínodo desta sexta-feira (5) à tarde 

Sínodo: Igreja seja “rede de acompanhamento” para jovens

No briefing sobre o Sínodo, na Sala de Imprensa da Santa Sé, nesta sexta-feira (5), o prefeito do Dicastério para a Comunicação, Paolo Ruffini, afirmou que os jovens pedem para “serem escutados e não simplesmente ouvidos”.

Barbara Castelli e Andressa Collet – Cidade do Vaticano

“Escuta, empatia e pedras descartadas”. Essas foram as palavras pronunciadas mais vezes durante as últimas congregações da XV Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, como fez referência o prefeito do Dicastério para a Comunicação e presidente da Comissão Sinodal para a Informação, Paolo Ruffini.

Durante a terceira e quarta congregação geral foram tocados os temas da paternidade e da maternidade, como também a questão da castidade e desafios da era digital. “Os jovens”, como especificou Ruffini, “se sentem vítimas de uma sociedade fundada sobre a mentira” e pedem para “serem escutados e não simplesmente ouvidos”, para serem “levados à sério”.

A vergonha da Igreja pelos abusos cometidos

Dom Anthony Colin Fisher, da Conferência Episcopal da Austrália, novamente e pessoalmente pediu perdão pela questão dos abusos: “nós deveríamos ter garantido que a Igreja fosse o lugar mais seguro para as crianças, sentimos vergonha por aquilo que aconteceu”. O prelado também disse aos jornalistas que “existem muitos jovens e ex-jovens, feridos”, pessoas que tiveram a confiança traída: “a Igreja deve falar para eles e não deles, como se fossem um fenômeno”.

Afeto e esperança para os jovens

O arcebispo australiano falou também da grande “variedade” dos contextos que estão emergindo na Sala do Sínodo, do “realismo” das intervenções, do afeto e da “esperança” que se respira diante dos jovens. “Cristo é Deus que se fez jovem”, insistiu Dom Anthony, “Ele nos renova, assim como renova o mundo com os jovens, geração após geração”.

Um Sínodo com as cores do mundo

Durante o briefing, Tahiry Malala Marion Sophie Rakotoroalahy, presidente dos Estudantes Católicos de Madagascar, comentou que o Sínodo é “o ponto de partida” e uma “verdadeira bênção” para os jovens, que “devem ser apóstolos dos outros jovens”.

05 outubro 2018, 19:58