Versão Beta

Cerca

Vatican News
Ajudar os católicos no caminho da reconciliação e na progressiva normalização da sua vida de fé é um dos objetivos do Acordo assinado este sábado Ajudar os católicos no caminho da reconciliação e na progressiva normalização da sua vida de fé é um dos objetivos do Acordo assinado este sábado 

Dar novo impulso à evangelização na China

O objetivo da Santa Sé no seu diálogo com a República Popular da China é pastoral não político. Deste modo, os católicos são sustentados pela reconciliação e pela normalização de sua vida de fé.

Cidade do Vaticano

Hoje, foi assinado em Pequim o Acordo Provisório entre a Santa Sé e a República Popular da China sobre a nomeação de bispos. O objetivo buscado pela Santa Sé não é de natureza política, mas eclesial e pastoral: que as comunidades católicas na China possam ter bons pastores em comunhão com a Santa Sé e sejam reconhecidas pelas Autoridades civis.

Objetivo eclesial não político

 

A este objetivo particular estão ligados outros de caráter pastoral geral: dar novo impulso ao compromisso de evangelização; ajudar os católicos no caminho da reconciliação e da progressiva normalização da sua vida de fé; contribuir, com a luz do Evangelho, para o bem do próprio país, de acordo com o princípio "plenamente católico e totalmente chinês".

A Santa Sé está ciente de que a ação pastoral da Igreja na história sempre tem implicações políticas. A Igreja, de fato, tem uma contribuição original para oferecer à construção do bem comum da sociedade. Como o Concílio Vaticano II diz a respeito, "A comunidade política e a Igreja são independentes e autônomas uma da outra no seu próprio campo. Ambos, ainda que de maneira diferente, estão a serviço da vocação pessoal e social das mesmas pessoas humanas. Eles realizarão esse seu serviço em benefício de todos, de maneira tão eficaz quanto melhor cultivarão uma colaboração saudável entre si, segundo formas adequadas às circunstâncias do lugar e do tempo" (Constituição Pastoral sobre a Igreja no Mundo contemporâneo, nº 76).

O método que levou ao acordo 

 

China continuaram a se falar, continuaram a se reunir regularmente com um espírito de confiança e de diálogo para procurar soluções: a confiança cresceu gradualmente e alguns preconceitos caíram. Isto permitiu encontrar um Acordo sobre uma questão de grande importância, isto é, a nomeação dos Bispos.

Outro aspecto importante é que as Partes concordaram sobre a importância de seguir o método de "composição amigável" na resolução de quaisquer divergências que surjam na interpretação e na aplicação do Acordo Provisório sobre a nomeação de Bispos.

O texto do Acordo

 

O texto do Acordo não foi divulgado porque tem a característica de ser um texto, sim em vigor e normativo, mas provisório e, em certo sentido, também experimental. Futuras revisões e futuras melhorias são possíveis e desejáveis.
 
Neste momento, para a Santa Sé, é importante que todos entendam e estejam convencidos de que o que foi feito é para o benefício de todos, é para o bem espiritual dos Católicos na China e para o bem do Povo Chinês.

22 setembro 2018, 15:08