Cerca

Vatican News
Sede da Agência Internacional para Energia Atômica (AIEA) em Viena, na Áustria Sede da Agência Internacional para Energia Atômica (AIEA) em Viena, na Áustria  (AFP or licensors)

Santa Sé: promover não-proliferação e desarmamento nuclear

“O regime de não-proliferação deve atuar incansavelmente pelo banimento total dos testes nucleares, como já faz pelo desarmamento nuclear.” Para ir além da dissuasão nuclear rumo a um mundo totalmente livre de armas nucleares, a Santa Sé assinou e ratificou o Tratado sobre a proibição das armas nucleares.

Cidade do Vaticano

Trabalhar “pelos objetivos comuns de promover a não-proliferação e o desarmamento nuclear, o desenvolvimento e o uso pacífico das tecnologias nucleares e o desenvolvimento humano integral, especialmente nos países mais pobres”.

Objetivos comuns contribuirão para paz verdadeira

Foi o apelo lançado esta segunda-feira (17/09) “a todos os líderes e às nações” pelo secretário vaticano das Relações com os Estados, Dom Paul Richard Gallagher, em pronunciamento em Viena, na Áustria, na 62ª Conferência internacional da Agência internacional para energia atômica (Aiea).

Gratidão e apoio da Santa Sé à Aiea

“A busca de tais objetivos contribuirá grandemente para uma paz verdadeira e duradoura”, assegurou o arcebispo, expressando sua “sincera gratidão” e confirmando o “firme apoio” da Santa Sé “às muitas contribuições da Aiea para a não-proliferação e para o desarmamento nuclear, bem como para o desenvolvimento e a utilização segura, protegida e pacífica das tecnologias nucleares”.

“O regime de não-proliferação nuclear tem o forte apoio das salvaguardas da Aiea, que se concentram em reforçar a eficácia e melhorar sua eficiência”, recordou o representante vaticano citando como exemplo “a participação da Aiea nas supervisões e monitoração dos compromissos do Irã baseados no Plano de ação conjunta global”, que “nos oferece um elemento indispensável para averiguar se todo o material é utilizado para fins pacíficos, e desse modo contribuem para uma maior paz e segurança no Oriente Médio”.

Não solução militar para questão nuclear coreana

Além disso, a Santa Sé “apoia os constantes e pacientes esforços da comunidade internacional para retomar as negociações relacionadas ao programa nuclear da República popular democrática da Coreia, que ameaça a integridade do regime de não-proliferação”.

“Não há uma solução militar para esta ameaça”, advertiu Dom Gallagher, segundo o qual “o recurso às salvaguardas da Aiea constitui um instrumento importante na direção do objetivo da desnuclearização”.

Armas nucleares são armas de destruição em massa e ambiental

“O regime de não-proliferação deve atuar incansavelmente pelo banimento total dos testes nucleares, como já faz pelo desarmamento nuclear.” Para ir além da dissuasão nuclear rumo a um mundo totalmente livre de armas nucleares, a Santa Sé assinou e ratificou o Tratado sobre a proibição das armas nucleares.

“Os testes nucleares comportam a substancial e incontrolada dispersão de materiais radioativos diretamente no ambiente”, advertiu o arcebispo: “Geraram a maior dose cumulativa de radiações produzidas pelo homem até então emitidas nas populações e no ambiente global. Por isso defendemos que as armas nucleares são armas de destruição em massa e ambiental”, em sintonia com o Papa Francisco.

 

Task force sobre as mudanças climáticas

A esse propósito, a Santa Sé aprecia e elogia os esforços da Agência ao criar uma “força tarefa” interdepartamental sobre as mudanças climáticas” e organizar o fórum científico Aiea deste ano, centralizado na “Tecnologia nuclear para o clima: migração, monitoração e adaptação”.

Ademais, a Santa Sé expressa à Agência “sua gratidão e seu apreço pela ajuda dada aos Estados membros de renda baixa e média para melhorar a eficácia de seus serviços de medicina radiológica como parte de uma ampla estratégia para o controle dos tumores, para o auxílio à formação dos agentes de saúde e para o compromisso na coleta de fundos destinados a promover programas e atividades pelo controle de tumores”.

Nossa paz e segurança dependem da paz e segurança dos outros

Dom Gallagher concluiu seu pronunciamento ressaltando “a urgente necessidade de uma ética moderna global da responsabilidade, da solidariedade e da segurança cooperativa, que deve ocupar o lugar dos velhos modos de pensar, muitas vezes guiados por interesses próprios e pela desconfiança”: “Em última análise, devemos reconhecer que a nossa paz e segurança dependem da paz e segurança dos outros”.

17 setembro 2018, 19:19