Versão Beta

Cerca

Vatican News
Secretário de Estado vaticano, Cardeal Pietro Parolin Secretário de Estado vaticano, Cardeal Pietro Parolin 

Parolin: a família ajuda transformar individualismo em cultura do encontro

“A família contribui, e contribuirá sempre, para a harmonia e o desenvolvimento de toda sociedade”, cuja estrutura é “dependente da estrutura da família e das relações que se desenvolvem internamente”, disse o cardeal Pietro Parolin no XII Congresso mundial sobre a família, realizado em Chisinau, capital da Moldávia.

Cidade do Vaticano

O testemunho das famílias cristãs ajuda a “transformar uma cultura individualista, utilitarista e consumista em cultura do encontro”. Tal convicção foi expressa pelo secretário de estado vaticano, cardeal Pietro Parolin, no XII Congresso mundial sobre a família, encerrado este domingo (16/09) em Chisinau, na Moldávia, país do Leste Europeu.

Verdade do matrimônio e da família é duradoura

Em seu pronunciamento, o purpurado partiu do recente Encontro Mundial das Famílias realizado em Dublin com o Papa para afirmar que “a verdade do matrimônio e da família é duradoura”, e “é de vital importância que continue sendo proclamada em sua integridade, especialmente em tempos como os nossos, em que somos conscientes da fragilidade com que se mostram tantas relações humanas”.

Famílias cristãs, sinal de esperança no mundo de hoje

 

“A família é a primeira escola onde se aprende o significado da nossa comum humanidade” – lê-se no texto difundido esta segunda-feira pela Sala de Imprensa da Santa Sé – e “as famílias cristãs tornam-se um sinal de esperança no mundo de hoje”: “Nas culturas ‘progressistas’, nos países ricos e nos países pobres, o testemunho das famílias permanece vital”.

“Mesmo quando são uma pequena minoria, numerosas famílias são generosas e responsáveis na conservação dos valores humanos e cristãos que reforçam toda a sociedade”, foi a análise do cardeal Parolin.

Não à tendência a relegar a família à “esfera privada”

 

Portanto, não à tendência a relegar a família à “esfera privada”: uma tendência que para o purpurado “coloca todo tipo de relação no mesmo nível e prefere o lucro econômico aos laços sociais”, enquanto fruto de “uma modalidade centralizada exclusivamente no interesse egoísta”.

“A família contribui, e contribuirá sempre, para a harmonia e o desenvolvimento de toda sociedade”, cuja estrutura é “dependente da estrutura da família e das relações que se desenvolvem internamente”.

Amoris laetitia do Papa Francisco

 

“A experiência vivida da beleza da família é o argumento mais forte que temos porque tende a acolher em vez de excluir, mostra misericórdia em vez de condenação, atrai em vez de impor”, concluiu o cardeal Parolin citando a Exortação apostólica pós-sinodal Amoris laetitia do Papa Francisco sobre o amor na família.

Na Moldávia nos dias 15 e 16 de setembro, tratou-se da primeira visita do secretário de Estado vaticano ao país do Leste Europeu. Além de participar do Congresso mundial sobre a família, o purpurado visitou a cantina social "Papa Francisco" da Fundação Regina Pacis, onde estavam presentes pobres e meninos de rua. Também presidiu uma missa na catedral católica pelos 25 anos de reabertura da Diocese de Chisinau. No domingo, 16 de setembro, presidiu à santa missa na paróquia católica de Tiraspol, onde abençoou o novo altar. Ao término, regressou para Roma.

(Sir)

17 setembro 2018, 15:41