Versão Beta

Cerca

Vatican News
Existe uma ligação inseparável entre o valor unitivo e procriativo Existe uma ligação inseparável entre o valor unitivo e procriativo 

Encontro em Roma recorda 50 anos da Humanae Vitae

Nos dias 24 e 25 de maio, palestrantes leigos, católicos e de outras confissões religiosas chamam a atenção para a paternidade responsável no encontro realizado no Camillianum

Federico Piana- Cidade do Vaticano

A Encíclica 'Humanae Vitae’ de Paulo VI sobre a doutrina do matrimônio completa 50 anos e o Instituto Camillianum de Roma comemora o evento com uma conferência do sabor internacional e inter-religioso nesta quinta, 24, e sexta-feira, 25.

O coração do documento reitera – sem ambiguidade - a ligação inseparável entre o valor unitivo e procriativo no ato conjugal, condenando o aborto, a contracepção e a esterilização como métodos de regulação dos nascimentos, mas com abertura aos naturais: reconhecimento dos períodos férteis ou inférteis do ciclo menstrual .

Uma reflexão atual sobre a paternidade responsável

 

O objetivo do encontro - com a participação de palestrantes leigos, católicos e de outras confissões - é desenvolver uma reflexão atualizada sobre a paternidade responsável, sem esquecer as verdades não modificáveis da 'Humanae Vitae'.

"Paulo VI - explica Palma Sgreccia, presidente do Camillianum, Instituto da Pastoral da Saúde - nos ensinou que o amor conjugal faz parte do grande mistério da Criação que torna os homens partícipes do plano criador de Deus e deve ser aberto ao dom da vida. O princípio da paternidade responsável não pode ser confiado à técnica, que subleva o indivíduo do exercício da responsabilidade. É por isso que o aborto, a contracepção e a esterilização são proibidos. A cultura contemporânea tem dificuldade de entender que em nossa natureza humana é reconhecida essa 'lei'".

Dialogar também com aqueles que se opõem à Encíclica

 

Imediatamente após a publicação, em 25 de julho de 1968, a Encíclica provocou fortes reações de contrariedade em todo o mundo. Mesmo dentro do mundo católico. É história. Meio século depois, o eco desses protestos ainda não diminuiu. Às vezes parece voltar a tomar vigor. E aqui, então, a necessidade de uma convenção para reiterar, com a linguagem de hoje, a bondade dos pronunciamentos de Paulo VI.

Isto é explicado por Palma Sgreccia: "Queremos mais uma vez enfatizar a verdade antropológica da ligação inseparável entre sexualidade e geração. O homem é capaz de regulá-la, mas com métodos naturais. Mas não só. Com esta conferência também queremos dialogar com aqueles que não concordam com nossas posições, a partir dos pontos que nos unem".

24 maio 2018, 18:04