Versão Beta

Cerca

Vatican News
Paróquia de Santa Mônica, em Ostia, onde o Papa celebrará a missa de Corpus Christi, no domingo, 3 de junho Paróquia de Santa Mônica, em Ostia, onde o Papa celebrará a missa de Corpus Christi, no domingo, 3 de junho 

Dom Lojudice: Papa dará novo vigor à comunidade de Ostia

Nesta quarta-feira (30/05), os fiéis da paróquia ostiense se reuniram para rezar juntos na praia de Idroscalo de Ostia.

Cidade do Vaticano

Cresce a expectativa dos fiéis, em Ostia, pela visita do Papa Francisco, no próximo domingo (03/06), para a celebração do Corpus Christi neste bairro da periferia romana, visitado pelo pontífice em 2015 e 2017.

Nesta quarta-feira (30/05), os fiéis da paróquia ostiense se reuniram para rezar juntos na praia de Idroscalo de Ostia. A cerimônia foi presidida pelo bispo auxiliar da Diocese de Roma para o setor sul, Dom Paolo Lojudice, que entrevistado pelo Vatican News sublinha a importância desse Corpus Christi “no confim da Diocese de Roma”.

A comunidade de Ostia fez uma vigília na praia de frente para o mar, que distingue este bairro de Roma, para dar ao Papa Francisco o sentido de acolhimento, sobretudo, de um povo que crê.

Dom Lojudice: “Tínhamos pensado junto com os párocos e foi decidido fazer isso na pequena praia denominada “Idroscalo’. Estamos no final da ponta extrema de Ostia, assim como de nossa diocese. Ontem, foi um momento lindo de preparação para o domingo. Houve a exposição do Santíssimo Sacramento e também adoração. Um momento bonito que nos ajudou a entrar no clima da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo que contará com a presença do Papa Francisco pelas ruas de Ostia.”

Idroscalo, área nova de Ostia, foi alvo recentemente de criminalidade com grande exposição na mídia. Quanto este Corpus Christi com o Papa Francisco pode impulsionar, renovar não só os fiéis de Ostia, mas todos os cidadãos?

Dom Lojudice: “O mal se combate fazendo um bem a mais: a única maneira é esta. Certamente, o Corpus Christi é a celebração, além da procissão, mais intensa, podemos dizer mais importante que existe em nossa tradição de fé católica. Vivê-la ali, como já dissemos em outras ocasiões neste período, certamente significa criar uma proximidade com áreas que, como outras áreas de Roma, a atenção da opinião pública se volta para aquelas situações que, infelizmente, não são as únicas em nossa cidade. Sabemos bem disso. Foi falado e se procurou dizer a todas as pessoas. Por isso, como existe agora uma grande atenção para esses fatos negativos, nós devemos dar um impulso no sentido positivo, sobretudo no ouvir, ver e experimentar uma comunidade cristã mais unida, referente às oito paróquias de Ostia. Como sinal de unidade que é um sinal de força, sinal da vontade e do desejo de combater o mal muito intenso. É o nosso desafio, o desafio de Ostia de retomar a situação e relançar: sinais de esperança, bondade, generosidade e solidariedade que podem diminuir o sentido do mal, o sentido de máfia, frequentemente dito, presente nessas áreas.”

“ O desafio para Ostia, com o Papa Francisco, é relançar sinais de esperança para vencer o mal. ”

O Corpus Christi do Papa Francisco em Ostia, 50 anos depois de Paulo VI, é também sinal de uma “Igreja em saída” e também de uma “Igreja sinodal”: o Corpo de Cristo caminhará pelas ruas de uma periferia e não no centro da cidade...

Dom Lojudice: “É ele. É o nosso Papa Francisco quem nos leva e nos convida constantemente a olhar novamente, a recomeçar das áreas um pouco mais distantes, a ponta, o confim de nossa diocese. Eu diria que é um ponto de distância, mas precisamente na luz, no horizonte para olhar para o centro e, sobretudo, para chamar a atenção para o centro que é Jesus Cristo. E isso o Papa nos recorda com a sua presença, com os seus gestos: “É a Ele que se deve olhar, para Cristo, para o Bom Pastor. Esperamos que isso encontre espaço nas mentes e corações de tantas pessoas que vivem ali e que possam se sentir, espero que sim, chamadas em questão, envolvidas, e a dizer: ‘Não estamos no confim, mas no centro’. Portanto, vamos recomeçar do centro para dar esperança uns aos outros.”

31 maio 2018, 14:55