Versão Beta

Cerca

Vatican News
Católicos chineses Católicos chineses 

Diálogo com a China: “Graças aos pequenos grandes passos”

Por que um diálogo com as Autoridades chinesas? Os católicos na China permanecem fiéis apesar dos graves sofrimentos causados por um regime hostil à religião. O que este diálogo pode conseguir?

Sergio Centofanti e Pe. Bernd Hagenkord, SJ

O diálogo é uma dimensão constitutiva na vida da Igreja. Ele ocupa um lugar primordial no seu modo de agir, tanto no seu interior, quanto no seu relacionamento com o mundo. Dialogar significa entrar em contato com a sociedade, com as religiões, com as culturas… O Concílio Vaticano II já convidava a assumir o diálogo como estilo de ação pastoral, não só entre os membros da Igreja, mas também com os não cristãos, as autoridades civis e as pessoas de boa vontade. Segundo a constituição Gaudium et Spes: “[…] todos os homens, crentes e não-crentes, devem contribuir para a reta construção do mundo no qual vivem em comum. O que não é possível sem um prudente e sincero diálogo” (n. 21).

O diálogo se alimenta de confiança

Papa Paulo VI também falou de maneira esclarecedora na encíclica Ecclesiam Suam: “A Igreja deve entrar em diálogo com o mundo em que vive. A Igreja faz-se palavra, faz-se mensagem, faz-se colóquio” (n. 38); a Igreja Católica “deve estar pronta a sustentar o diálogo com todos os homens de boa vontade, dentro e fora do seu âmbito próprio” (n. 53).

O diálogo, entre as pessoas, as instituições, as comunidades humanas, permite o conhecimento recíproco, que pode também se tornar amizade. Em todo caso, o diálogo se nutre principalmente de confiança. A confiança recíproca é o fruto da soma de pequenos passos, gestos e encontros que acontecem concretamente em várias ocasiões, muitas vezes sem pretensões e com grande discrição. “há sempre portas que não estão fechadas”, como dizia o Santo Padre (17 de maio de 2017).

Clima de diálogo entre Santa Sé e China graças aos pequenos passos dos últimos pontífices

O atual clima do diálogo entre Santa Sé e China chegou a este ponto graças aos pequenos grandes passos realizados pelos últimos Pontífices, pois cada um abriu um caminho, acrescentou um tijolo à nova construção, inspirou pensamentos e ações de esperança. Pensemos ao equilíbrio de Paulo VI no seu modo de agir, às claras indicações de Bento XVI e de São João Paulo II sobre um diálogo proativo com as Autoridades chinesas. Enfim, pensemos na aceleração que o Papa Francisco, com a sua personalidade, os seus gestos e o seu magistério, está imprimindo no processo de aproximação e de encontro entre os povos, incluindo os chineses.

Um diálogo animado pela busca da verdade e da justiça

Certamente, a escolha eclesial do diálogo não é um método a ser testado, não é a busca de compromissos a todo o custo ou uma atitude renunciatória, típica de quem está disposto a “sacrificar” os próprios princípios por um fácil sucesso político ou diplomático, esquecendo desse modo, o caminho sofredor da comunidade católica. Para a Igreja, o diálogo deve ser sempre animado pela busca da verdade e da justiça, orientado a perseguir o bem integral da pessoa, no respeito dos direitos fundamentais. Porém, a missão da Igreja, mesmo na China, não é a de mudar a estrutura ou a administração do Estado, ou ficar contra o poder temporal que se exprime na vida política. Com efeito, se a Igreja fizesse da sua missão apenas uma batalha política, trairia a sua verdadeira natureza e se tornaria um protagonista político como outros, renunciado à própria vocação transcendente e reduzindo a própria ação a um horizonte puramente temporal.

O diálogo ajudará a instaurar um clima mais confiante entre Santa Sé e China

O diálogo sincero e honesto consente, ao invés, de agir a partir de dentro da sociedade, seja para tutelar as legítimas esperas dos católicos, seja para favorecer o bem de todos. Neste contexto, quando a voz da Igreja se torna crítica, não acontece para causar polêmicas ou condenar de modo estéril, mas para promover com espírito construtivo uma sociedade mais justa. Assim também a crítica se torna um exercício concreto de caridade pastoral, porque reúne o grito de sofrimento dos mais fracos, dos que não têm a força ou condições de serem ouvidos.

Na opinião da Santa Sé, também na China, o método do diálogo franco e respeitador, embora levado adiante com fadiga e sempre com alguns riscos, consentirá a instauração de um clima de confronto mais confiante, útil para o conhecimento recíproco e capaz de superar gradualmente as graves incompreensões do passado mesmo recente.

Deus está trabalhando concretamente para o futuro dos católicos chineses

Atualmente, vários sinais fazem entender que a China está cada vez mais atenta ao “soft power” que a Santa Sé exerce em nível internacional. Na China, a história está fazendo o seu caminho e exige uma obra de discernimento atento por parte dos que têm particular responsabilidade na Igreja.

Justamente por isso, o diálogo que a Santa Sé adotou há mais de 25 anos nas relações com as Autoridades chinesas, assume hoje linhas de um verdadeiro dever pastoral para os que querem ler os sinais dos tempos e reconhecer que Deus está presente na história, guiando-a com a sua providência, e atuando concretamente pelo futuro dos católicos chineses.

Ouça e compartilhe

 

07 maio 2018, 14:13