Versão Beta

Cerca

Vatican News
Plenária da Pontifícia Comissão para a América Latina debateu o papel da mulher na Igreja Plenária da Pontifícia Comissão para a América Latina debateu o papel da mulher na Igreja 

Entrevista: reconhecimento da mulher na Igreja deve ser real, não poético

A professora da PUC de São Paulo, Rosana Manzini, participou no Vaticano da Plenária da Pontifícia Comissão para a América Latina sobre o tema da mulher na Igreja.

Cidade do Vaticano –

“A mulher, pilar da edificação da Igreja e da sociedade na América Latina”: foi o tema escolhido pelo Papa Francisco para a Assembleia Plenária da Pontifícia Comissão para a América Latina”, que se encerra esta sexta-feira (09/03), no Vaticano.

Já que todos os membros e conselheiros da CAL são cardeais e bispos, desta vez – em caráter excepcional – foi convidado para a Plenária um grupo restrito de personalidades femininas provenientes da América Latina, com diferentes cargos de responsabilidade sociais e eclesiais. Neste grupo, estava a professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Rosana Manzini, que leciona disciplinas de Teologia Moral.

Em entrevista à colega Patricia Ynestroza, Rosana Manzini faz um balanço da Plenária e fala dos desafios da mulher na Igreja e na sociedade:

“O que é muito interessante e que está nos causando uma agradabilíssima surpresa é que percebemos que este encontro nós sentimos um movimento do Espírito. São relatos das mulheres nas diversas condições de toda a América Latina e a corresponsabilidade seja dos homens, clérigos ou não, nesta situação, neste posicionamento solidário para que a mulher possa continuar sendo solidária onde ela está.”

O tema da Plenária é a mulher como pilar na edificação da sociedade e da Igreja. Quais são os desafios, as mudanças que se enfrentam agora?

“Na Igreja, eu acredito que seja necessário um reconhecimento da mulher, um reconhecimento real e não um reconhecimento poético, ‘que a mulher é boa ou importante’, mas um reconhecimento em que a mulher participe de forma mais ativa na gestão eclesial. Quanto à sociedade, nós devemos ir ocupando os lugares devido. Já houve na América Latina, em vários países, mulheres que chegaram à presidência da República ou a diversos organismos de decisão e legislação dos países, mas devemos ocupar mais. O olhar da mulher, seja para a Igreja, seja para a sociedade é diferente. A mulher tem um olhar pelo seu próprio modo de ser, ela vê não só além, mas de forma diferente a realidade. Consequentemente, vai propor algo diferente .

Que trabalho você faz com as mulheres?

Eu sou professora de Teologia. Trabalho no apoio às mulheres que têm a coragem de entrar neste mundo teológico. Ajudá-las a enfrentar os inúmeros obstáculos, porque é um curso praticamente destinado aos seminaristas, apesar dos cursos noturnos serem para leigos. Mesmo assim, depois que se conclui o curso, a inserção para ser professora não é fácil. Trabalho também com moças de outros cursos, sendo uma presença mostrando uma realidade espiritual muito importante que não pode ser abdicada.

Ouça a entrevista com a professora Rosana Manzini
09 março 2018, 09:25