Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Papa na Audiência Geral Papa na Audiência Geral  (AFP or licensors)

Religiosas que trabalham no Vaticano recebem do Papa uma prímula

A prímula, uma das primeira flores que se abrem após o inverno, é símbolo de vida e de juventude. É uma planta que “cresce em direção ao alto, olhando para o Senhor.

Cidade do Vaticano

No Dia Mundial da Vida Consagrada, cada religiosa que trabalha no Vaticano recebeu do Papa Francisco uma prímula.

Quem revelou foi o arcebispo Konrad Krajewski, que na manhã deste dia 2 de fevereiro, levou uma das plantinhas para ornamentar o altar organizado na área industrial, onde celebrou com os operários dos serviços técnicos a Missa da Festa da Apresentação do Senhor.

A prímula, uma das primeira flores que se abrem após o inverno, é símbolo de vida e de juventude.

E a imagem da flor, repleta de beleza e que “cresce em direção ao alto, olhando para o Senhor”, foi utilizada pelo prelado na homilia para convidar os presentes a oferecer a própria vida a Deus – trabalho, família, alegrias, sofrimentos – assim como fizeram Maria e José, levando ao templo o seu tesouro mais precioso, o filho Jesus.

Com o arcebispo esmoleiro concelebraram o diretor dos serviços técnicos do Governatorato, padre Rafael García de la Serrana Villalobos e o pároco de Santa Ana no Vaticano, o agostiniano Bruno Silvestrini.

Junto aos operários, conduziram a tradicional procissão da “Canderola” da carpintaria até a oficina mecânica, onde foi celebrada a Eucaristia.

Na sua meditação, Dom Krajewski voltou ao tema do trabalho cotidiano, e convidou os presentes a pararem a cada dia, mesmo que por alguns segundos, na Igreja de “San Pellegrino”: “Quando nós nos oferecemos ao Senhor tudo muda, porque ele pensa em nossa vida”.

Ao final do rito, o prelado agradeceu aos operários pela ajuda concreta prestada às atividades da Esmolaria Pontifícia em favor dos pobres e dos sem teto.

 

 

 

 

02 fevereiro 2018, 19:27