Cerca

Vatican News
Jornal chinês destaca sabedoria do Papa Francisco na condução do diálogo com a China Jornal chinês destaca sabedoria do Papa Francisco na condução do diálogo com a China  

"Cedo ou tarde" relações com Vaticano serão restabelecidas, afirma jornal chinês

Pela segunda vez em poucos dias, o influente jornal chinês Global Times tratou das relações entre Santa Sé e China. Levando em consideração a sabedoria como o Papa Francisco conduz o processo, o tabloide não hesitou em afirmar que cedo ou tarde as relações diplomáticas, rompidas em 1951, serão restabelecidas.

Cidade do Vaticano

China e Vaticano restabelecerão relações diplomáticas “cedo ou tarde” e o Papa Francisco, “com a sua sabedoria”, poderá contribuir para a retomada das relações diplomáticas com Pequim.

A convicção foi expressa por um dos mais influentes jornais chineses, o Global Times, que pela segunda vez em poucos dias retoma ao tema, no editorial publicado esta terça-feira, 06/02.

“Pequim é paciente nas suas negociações com o Vaticano”, explica o jornal, spin-off do Quotidiano do Povo, órgão de imprensa do Partido Comunista Chinês.

“Não obstante o difícil processo, o grande número de não católicos na China nunca esteve contra o Vaticano. O público chinês geralmente respeita qualquer Papa”.

O editorial inspira-se em informações divulgadas pela Agência Reuters, de que “em poucos meses” China e Vaticano poderiam chegar a um acordo em relação à nomeação de bispos, um dos pontos cruciais para a retomada das relações diplomáticas rompidas em 1951, com a expulsão do núncio apostólico da República Popular da China.

O Global Times também redimensiona o obstáculo da relação entre Taipei e a Santa Sé, único aliado diplomático de Taiwan na Europa.

“A questão de Taiwan não é a principal preocupação de Pequim na gestão das relações com o Vaticano”, afirma o tabloide, “pois o continente dispõe de muitos instrumentos para exercer pressões sobre Taiwan”.

Pequim e o Vaticano “estabelecerão relações diplomáticas cedo ou tarde”, afirma o editorial, que deposita grande confiança no Pontífice.

“O Papa Francisco é uma imagem positiva para o público chinês. Espera-se que faça avançar as ligações China-Santa Sé e resolva os relativos problemas com a sua sabedoria”.

Em 2 de fevereiro, em outro artigo publicado no jornal sobre o tema, foi enfatizado que “o fato de que a China permaneça ligada a seus princípios, não significa que não exista espaço para negociações com o Vaticano sobre a questão da ordenação de bispos”.

(Com Ag. Agi)

06 fevereiro 2018, 16:20