Versão Beta

Cerca

VaticanNews

A Guarda Suíça Pontifícia

A Guarda Suíça Pontifícia celebra seu 512º aniversário de fundação. “A fidelidade – explicou o Comandante Cristhtoph Graf durante a celebração de uma Missa no domingo - é um termo genérico para indicar confiança, respeito, lealdade, consciência, retidão, sinceridade, precisão”. Trata-se de “qualidades positivas que distinguem um bom soldado ou um bom guarda”. E justamente “Coragem e fidelidade” é o lema da Guarda Suíça Pontifícia, que há 500 anos é responsável pela segurança do Sumo Pontífice.

Cidade do Vaticano

“Ser responsável pela segurança do Santo Padre representa para nós suíços um privilégio e nos enche de orgulho. Para responder a esta responsabilidade e desafio, nos sentimos no dever de formas escrupulosamente os guardas para este serviço.

A história da Guarda Suíça Pontifícia mostra claramente o significado do nosso lema “Coragem e fidelidade”. Estamos a serviço do Santo Padre e da Igreja Católica há mais de 500 anos.” (Coronel Christoph Graf – Comandante da Guarda Suíça)

“A segurança do Santo Padre e da Sua Residência é entregue fielmente, já há séculos, nas mãos dos católicos suíços. Para honrar este privilégio extraordinário, a Guarda presta serviço 24 horas por dia, 365 dias ao ano, responsavelmente, lealmente e fielmente. (Bernhard Messmer - encarregado do recrutamento).

“A formação é dividida em dois meses: o primeiro se desenvolve em Ticino, Isone, na Suíça, com uma formação específica sobre a utilização de armas, um pouco de esporte, introdução ao direito, existe também o treinamento tático, por exemplo,  como controlar uma pessoa, como controlar um veículo, a autodefesa, ou seja, como defender-se em caso de agressão. É toda uma primeira parte específica. Sucessivamente os recrutas chegam a Roma.  

Esta formação é composta pelo serviço de honra, quer dizer, o utilizo da alabarda, marcha, como usar o uniforme, a seguir temos uma parte sobre o conhecimento das pessoas, o conhecimento dos lugares. É importante para eles que conheçam o Vaticano”. (Sargento  Guillaume Favre – Instrutor)

“Para se alistar na Guarda, o candidato deve satisfazer um certo número de requisitos. Deve ser cidadão suíço, deve pertencer à Igreja Católica, deve ter tido uma formação profissional, e ter “estudado”. Após ter prestado o serviço militar, deve ser solteiro, e ter ao menos 1,74 metros”.

“Me senti guarda suíço desde o primeiro momento que cheguei em Roma e quando me trouxeram aqui no Vaticano entendi que havia encontrado o meu caminho. O espírito de corpo (...) em nosso tipo de trabalho, em nosso tipo de vida, é importantíssimo, e deve se tornar também uma fraternidade,  não somente um (...) militar, mas também uma fraternidade. E isto torna a vida na caserna muito mais fácil. (Cabo Marco Radovinovic – suboficial)

“A Guarda Suíça Pontifícia é responsável pela segurança do Santo Padre e da sua residência. A isto se soma a segurança durante a Sede Vacante, período durante o qual o novo Papa é eleito. Somado a isto acompanhamos o Papa nas suas viagens na Itália e ao exterior. Efetuamos controles de segurança nas quatro entradas principais do Vaticano. Ao mesmo tempo desenvolvemos um serviço de honra e de ordem na acolhida de Chefes de Estado e Embaixadores”. (Sargento Urs Breitenmoser – responsável mídia)

“A Guarda Suíça existe desde 1506. É o mais antigo e o menor exército do mundo.”

“A prestação de juramento de um guarda, em 6 de maio, é sem dúvida  alguma, o momento mais importante da sua carreira como Guarda Suíça Pontifícia.”

“Quando cheguei ao Vaticano, mais especificamente na Guarda Suíça, entendi logo ter ingressado em um mundo único e o dia de meu juramento foi um dos momentos mais belos da minha vida. E é a partir daquele momento que me senti completamente integrado neste prestigioso Corpo da Guarda Suíça Pontifícia.” (Vice-Cabo Didier Granjean, suboficial)

“A camaradagem e a amizade são fundamental para nós. Durante o tempo livre temos a possibilidade de fazer muitas coisas. Praticamos muito esporte, vamos à biblioteca ou tocamos instrumentos na sala de música, além de ir à academia. Ademais cultivamos belas amizades que nos ajudam a estarmos bem e permanecer motivados, para desempenharmos bem o nosso serviço. A amizade é muito importante e a encontramos na Guarda.” (Alabardeiro Robin Landolt)

“Ser guarda é uma aventura. E vale a pena lançar-se nesta aventura. Conhecer Cristo é também uma aventura. Não sabemos onde nos conduzirá, mas uma coisa é certa, que esta é uma magnífica aventura, porque a nossa fé confere à nossa vida uma qualidade única. Organizamos também excursões. Este ano vamos à Terra Santa. O aspecto cultural é importante e neste caso a Itália tem muito a oferecer”. (Padre Thomas Wid, capelão)

“Tenho um grande respeito pelo Papa. Sinto que o Espírito Santo age nele e a sua fé me toca profundamente. O fato de poder serviço ao Papa me enche de alegria e de orgulho”.

“A Guarda Suíça Pontifícia é uma escola de vida única. Se tu amas algo fora do comum, se tu queres entrar na história e vivê-la no cotidiano, e se tu te interessas pela Guarda Suíça Pontifícia, una-se a nós.”

“Se queres trabalhar no âmbito da segurança e crescer em um ambiente particular, se tu amas a ordem, a disciplina, a ordem, a flexibilidade, o espírito de sacrifício e a camaradagem, se queres aprender italiano e descobrir a cultura mediterrânea és cordialmente bem-vindo a nós. O fundamental, porém, é a vontade absoluta de servir ao Santo Padre e á Igreja Católica. Se te sentes chamado a isto, não hesite em nos contactar”.

24 janeiro 2018, 14:35