Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Papa com migrantes e refugiados na Audiência Geral Papa com migrantes e refugiados na Audiência Geral 

Simpósio ecumênico em Roma debate xenofobia e populismo

Xenofobia e populismo, dois fenômenos que uniram diferentes Igrejas cristãs em Roma em um Simpósio Internacional, em preparação à Conferência Internacional sobre o mesmo tema que terá lugar em maio de 2018

Cidade do Vaticano

Convencidos do papel crucial que as Igrejas podem desempenhar na missão de promover uma sociedade mais justa e humana, o Pontifício Conselho para o Desenvolvimento Humano Integral e o Conselho Mundial de Igrejas, em colaboração com o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, realizam desde quarta-feira, 13, até sexta-feira, o primeiro Simpósio ecumênico para estudar o fenômeno da xenofobia e dos populismos.

O encontro que se realiza em Roma - e que prepara uma Conferência mundial sobre o tema a ser realizada em maio de 2018 - reúne especialistas e líderes ecumênicos de todo o mundo, com o objetivo de explorar de que modo as Igrejas podem ser protagonistas no trabalho conjunto para enfrentar em modo proativo este crescente temor e encontrar respostas construtivas modeladas pela espiritualidade e pelas tradições cristãs de respeito pelos direitos e pela dignidade humana.

Medo e ódio pelo diferente

"O medo e o ódio por qualquer coisa de estranha, alheia, diferente, isto é, aquilo que é percebido como "outro", está penetrando em todos os setores da sociedade: social, cultural, político e espiritual - sublinham os promotores. Permeia a mídia e influencia as políticas e as opiniões públicas, ameaçando assim os valores humanos e morais da sociedade".

As Nações Unidas recentemente caracterizaram as reações da sociedade à crise migratória global e dos refugiados, como marcada por um "medo tóxico", radicado na xenofobia e encorajado pela política populista.

Desafio ético e pedagógico para Igrejas e sociedade

No contexto da complexa crise global dos migrantes e dos refugiados, as Igrejas consideram não poder ficar em silêncio ou indiferentes, "mas devem estar conscientes de seu mandato missionário e moral para buscar modos realísticos e construtivos para enfrentar a xenofobia e o populismo".

"Acreditamos que superar a xenofobia e o populismo é um desafio ético e pedagógico quer para as Igrejas como para a sociedade".

"Para as Igrejas este também é um desafio teológico e implica um autoexame e humilde reconhecimento da nossa vulnerabilidade ao poder corrosivo do medo, do preconceito associado e da discriminação que ameaça a unidade do Corpo de Cristo".

Conferência Mundial sobre Xenofobia e Populismo em maio

Este simpósio, portanto, aprofunda a compreensão da xenofobia por parte das Igrejas e o correspondente aumento do populismo em relação à crise migratória e dos refugiados.

Ademais, busca discernir os meios para uma maior colaboração e ações comuns, incluindo o melhor uso dos instrumentos da mídia para transformar esta realidade crescente e desumanizante de intolerância e ódio baseada no medo, e assim promover uma cultura de respeito, solidariedade e coesão social.

E ainda, promover a sistemática capacidade eclesial, desenvolvendo as melhores práticas para enfrentar a xenofobia e o populismo, permeadas pelos valores cristãos de justiça e compaixão, radicadas em relações de confiança e diálogo aberto, e planejar e preparar a Conferência Mundial sobre Xenofobia e Populismo, a ser realizada de 21 a 24 de maio de 2018.

14 dezembro 2017, 16:36