Versão Beta

Cerca

S. Urbano I, papa

S. Urbano I, Basílica de São Paulo Fora dos Muros S. Urbano I, Basílica de São Paulo Fora dos Muros 

Uma colina separa a cidade de Chieti, nos Abruços, da aldeia de Bucchianico. Em meados do ano 1300, as duas localidades tomaram parte de uma das muitas guerras fronteiriças. Chieti decidiu que estava na hora de atacar e envolveu os habitantes da pequena aldeia, obstinadamente apinhados dentro e ao redor do castelo, com vista para o vale.
«Certo dia, – narra a história, que muito deve à lenda - um exército, talvez de mercenários, avançou para Bucchianico, com intenções facilmente compreensíveis pelos vigias da aldeia. Os habitantes eram poucos, mas seu comandante militar, o "sargento", teve uma ideia genial: pediu aos poucos homens, dizem também às mulheres, para usar couraças ou qualquer tipo de armadura e começar a se mover dentro do castelo e ao lado da colina, sem interrupção. Os invasores notam de longe aquele vai e vem, que parecia um gigantesco exército em manobra, e desistem das suas intenções beligerantes».

Papado tranquilo

Segundo a tradição, o estratagema que inspirou o sargento, parece em sonho, partiu do Papa Urbano. Ainda hoje, na pequena aldeia, o episódio é comemorado, todos os anos, com uma grande festa popular. Não obstante este evento, a história fala pouco da vida deste Pontífice. Eusébio de Cesareia escreve, em sua famosa "História Eclesiástica", que Urbano subiu ao trono após a morte do Papa Calisto. Por volta do ano 223 a maio de 230, o Pontificado deste Papa que, provavelmente, era natural de Teano, transcorreu sem sobressaltos sob o império de Alexandre Severo. Na realidade, as coisas pioraram com o antipapa Hipólito, que deu muito trabalho a Calisto. Porém, narra-se que Urbano o tratou com a mesma firmeza de seu predecessor.

Firmeza e caridade

As questões, que o Papa Urbano teve que enfrentar, dão uma ideia dos problemas da Igreja na época. Tentou abrir uma ação civil complexa contra os produtores de hóstias; revogou o decreto do Papa Zeferino, sobre o uso de cálices de vidro para o sacrifício da Missa, obrigando o uso de cálices de prata; foi tenaz em reivindicar as propriedades eclesiais.
Os biógrafos daquele tempo descrevem o seu perfil como um homem caridoso e, ao mesmo tempo, resolvido, capaz de levar muitos pagãos a se batizar, inclusive a família romana dos Valerios.

Histórias duvidosas

Muitas dúvidas pairam também sobre a morte do Papa Urbano, que, para algumas fontes, foi natural, mas violenta para outros, que falam de um assassinato por obra do prefeito Almenio.
Uma “Passio” tardia relata que ele foi um mártir, ligado à história de Santa Cecília, mas os documentos não são fidedignos neste aspecto.
Segundo o “Liber Pontificalis”, a biografia mais verossímil dos Papas, no início da Idade Média, os restos mortais do Papa Urbano I descansam no cemitério de São Calisto, na Via Ápia, em Roma.