Cerca

S. Luísa de Marillac, co-fundadora das Filhas da Caridade

Do "não" ao "sim". A vida de Santa Luísa de Marillac pode ser resumida, simbolicamente, neste percurso: "Não", porque era filha natural de um nobre francês e, como ilegítima, não tinha direito a títulos nobres; "Não", porque, desde pequenina, aspirava a uma vida consagrada, mas, seu pedido para entrar em um convento foi rejeitado; "Não", porque não se casou por opção, mas por acordo. No entanto, foram precisamente estes "não" que suscitaram, na alma de Luísa, a força de um "sim", revolucionário para a época: um “sim” em prol da caridade feminina ativa no mundo, dos pobres e necessitados, sem seu fechamento em clausuras ou conventos.

O chamado vocacional

Luísa nasceu na França, em 1591; filha de Louis de Marillac, senhor de Ferrières e conselheiro do Parlamento, a pequena Luísa nunca conheceu sua mãe verdadeira. Em 1595, o pai se casou pela segunda vez e a menina, com apenas 4 anos, foi confiada às Irmãs Dominicanas do Convento de Poissy, onde encontrou um ambiente amoroso e recebeu uma boa educação, não só humanista, mas também espiritual. Ao chegar à maioridade, Luísa sentiu o chamado vocacional e pediu para abraçar a vida monacal. Porém, seu pedido foi rejeitado por questão de saúde.

Casamento

Logo, não lhe restava que o matrimônio: a escolha do noivo, ditada pelas convenções sociais da época, recaiu sobre Antônio Le Gras, secretário da família dos Medici.
Luísa uniu-se em matrimônio em 1613, aos 22 anos, tornando-se, logo em seguida, mãe do pequeno Miguel. Mas, a futura Santa sentiu, em seu coração, uma crise profunda: não era aquela a sua verdadeira vocação e sentiu muito. Todavia, como esposa e mãe carinhosa, dedicou-se à sua família com abnegação e espírito de sacrifício, assistindo, com amor, ao marido, acometido por uma grave doença, que o levou à morte em 1626.

O encontro iluminador com Vicente de Paolo

No dia de Pentecostes de 1623, enquanto estava em recolhimento, Luísa recebeu uma espécie de luz: "Entendi - escreveu ela - que havia chegado a hora e em condições de fazer os três votos de pobreza, castidade e obediência. Entendi que deveria estar em um lugar para ajudar os outros".
No ano seguinte, a futura Santa encontrou quem iria lhe permitir colocar em prática aquele espírito ardente de caridade e a sua doação total ao amor de Deus, que a impulsionava: São Vicente de Paolo. Doravante, este "casal de Deus" permaneceu unido, indissoluvelmente, em nome do apostolado e do serviço aos últimos, aos excluídos e marginalizados.

Nascimento das "Filhas da Caridade"

Vicente, sacerdote dinâmico e criativo, formou, em Paris e nas aldeias vizinhas, as "Confrarias da Caridade", compostas de generosas voluntárias dispostas a ajudar os mais necessitados. Padre Vicente confiou aquelas jovens precisamente a Luísa, para que fossem formadas e acompanhadas no seu serviço material e espiritual. Luísa disse logo "sim" àquele projeto inovador. Assim, em 29 de novembro de 1633, nasceram as "Filhas da Caridade" ou monjas sem clausura. Segundo Vicente de Paolo, o "mosteiro delas seriam as casas dos enfermos; as celas, um quarto alugado; a capela, a igreja paroquial; a clausura, as ruas da cidade". Sua mestra e testemunha foi Luísa de Marillac, que se dedicou, totalmente, à missão de fazer com que as jovens compreendessem que “servir aos pobres é servir a Cristo, porque os pobres e Cristo formam uma mesma realidade”.

Serviço humilde e compassivo

O estilo das "Filhas da Caridade" seria, portanto, de serviço humilde, cordial e compassivo; um serviço de abrange todos: com um bornal nas costas, cheio de comida, roupas e remédios, as jovens filantrópicas passavam pelas ruas parisienses, nos subúrbios, nos hospitais, nas prisões, nos campos de batalha e nas escolas, onde as crianças aprendiam, não apenas escrever e contar, mas também conhecer e amar a Deus.

"Seus olhos e corações sejam só para os pobres"

Luísa nunca poupou esforços! Ela colocava tanta dedicação em todas as suas ações e orações, que Vicente de Paolo exclamou: "Só Deus sabe qual a sua força de espírito"!
No entanto, os anos passam e as condições físicas de Marillac, já tão precárias, começam a diminuir. No início de 1660, a futura Santa percebeu que seu fim estava próximo. Não obstante, jamais deixava de encorajar suas Filhas e lhes recomendava: "Seus olhos e corações sejam voltados só para os pobres". Seu coração, exausto pelo cansaço, deixou de bater no dia 15 de março de 1660.
Entretanto, a sua obra não cessou. Atualmente, a Companhia das "Filhas da Caridade" conta cerca de 3 mil Casas e mais de 27 mil Irmãs nos cinco Continentes.

Padroeira das obras sociais

Luísa de Marillac foi beatificada por Bento XV, em 9 de maio de 1920, canonizada por Pio XI, em 11 de março de 1934, e proclamada "Padroeira das obras sociais" por São João XXIII, em 10 de fevereiro de 1960.
Seus restos mortais descansam na capela da Casa Geral das "Filhas da Caridade” em Paris, mas uma estátua, em sua memória, encontra-se na Basílica de São Pedro, no Vaticano.