Versão Beta

Cerca

S. Valentim, mártir, na via Flaminia

S. Valentim, Basílica de Santa Prassede em Roma S. Valentim, Basílica de Santa Prassede em Roma 

Qual São Valentim?

No Martirológio Romano, no dia 14 de fevereiro, encontramos, não apenas um, mas dois Valentim. Sobre o primeiro, lê-se: “No dia 14 de fevereiro, na Via Flaminia, em Roma, nasceu São Valentim, presbítero e mártir; após ter realizado várias curas, o insigne da cultura foi assassinado e degolado sob o império de Cláudio Cesar”. Sobre o segundo, afirma-se: “No dia 14 de fevereiro, em Terni, o ditoso São Valentim, após ter sido longamente flagelado, foi preso; não podendo vencer a sua resistência, no meio da noite, foi secretamente arrastado para fora da prisão e degolado pelo Prefeito de Roma, Plácido”.

Presbítero romano

Os acontecimentos do presbítero romano desenvolveram-se por volta do ano 270 depois de Cristo, enquanto se tornava violenta a perseguição do imperador Cláudio o Gótico; este, sabendo da fama de santidade que acompanhava Valentim, mandou trazê-lo ao Palácio e lhe perguntou se era seu simpatizante e se adorava os deuses. Mas, com coragem e firmeza, Valentim afirmou que o culto aos deuses era inútil e somente Cristo havia trazido a esperança de um mundo melhor. O imperador, impressionado pelo ardor do prisioneiro, confiou-o a um nobre romano, chamado Astério, pedindo-lhe para dissuadi-lo com “lisonjeiros discursos”.

Astério tinha uma filha cega, desde a idade de dois anos. Valentim concentrou-se em oração e a jovem recobrou a visão. Diante do milagre, Astério converteu-se ao cristianismo com toda a sua família. Ao saber da sua conversão, Cláudio condenou Valentim à decapitação, que teve lugar na segunda milha da Via Flaminia, onde foi sepultado e onde surgiu uma igreja a ele dedicada.

Bispo de Terni

O episódio do Bispo de Terni, ao invés, aconteceu cerca de setenta anos mais tarde: Valentim foi convidado a ir a Roma pelo reitor e filósofo Cratão, mestre de língua grega e latina. Ele tinha um filho, chamado Queremão, que sofria de uma deformação física, que o obrigava a manter a cabeça entre os joelhos, que nenhum médico conseguia curá-lo. Cratão prometeu a Valentim a metade de seus bens se curasse seu filho. Mas, em uma longa conversa noturna, Valentim explicou-lhe que não seriam as suas inúteis riquezas que curariam o rapaz, mas a fé no único e verdadeiro Deus. Então, concentrou-se em oração e o rapaz recobrou a saúde. Diante do milagre, Cratão e toda a sua família se deixaram batizar pelo Bispo, junto com outros três estudantes gregos: Próculo, Éfebo e Apolônio. Com eles, abraçou o cristianismo também Abôndio, outro estudante, filho do Prefeito de Roma, Furioso Plácido, que teve esta incumbência nos anos 346-347: teria sido esta a data histórica atribuída ao martírio de Valentim. O Prefeito, abalado pela conversão do filho, mandou prender Valentim e decapitá-lo na segunda milha da Via Flaminia. Ele o fez às ocultas, durante a noite, para evitar a reação do já numeroso grupo cristão da cidade. Após uma primeira e breve sepultura no lugar do martírio, Próculo, Éfebo e Apolônio transportaram o corpo do mártir a Terni e o sepultaram um pouco fora da cidade. No entanto, em Terni, ao saber do ocorrido, o cônsul Lucêncio mandou prender os três estudantes e, durante a noite, por medo que a população os soltasse, mandou decapitá-los. Entretanto, a população, a pedido de Abôndio, enterrou os novos mártires na mesma sepultura de Valentim.

Padroeiro dos namorados

Muitas analogias, inclusive o lugar do suplício e do sepultamento, acomunam os acontecimentos do Valentim de Roma com o Valentim de Terni, para evitar a suspeita de ser um único mártir: em ambos os casos, fala-se de um corajoso testemunho de fé e cura milagrosa, que provocaram conversões, e de um martírio por decapitação na segunda milha da Via Flaminia.

Certamente, deve-se aos Beneditinos, que na Idade Média eram custódios da basílica de Terni, a difusão do culto de São Valentim em seus mosteiros, na França e Inglaterra, onde começou a ser chamado Padroeiro dos Namorados. Esta origem funda-se em um antigo escrito do inglês Geoffrey Chaucer, que narra: “No Dia de São Valentim, os passarinhos começaram a dançar em ritmo de amor”.

Em meados do mês de fevereiro, na Europa, a natureza começa a despertar-se do letargo invernal. Por isso, São Valentim tornou-se o santo que anunciava a primavera iminente. Não é por mera casualidade, que, às vezes, ele é representado com o sol na mão.