Busca

Vatican News
Papa Francisco na Missa dos Santos Pedro e Paulo Papa Francisco na Missa dos Santos Pedro e Paulo  (Vatican Media)

Francisco: não se usa o nome de Deus para aterrorizar as pessoas

Em um tweet, o Papa fala sobre o Dia Internacional em Homenagem às Vítimas de Perseguição Religiosa, instituído pela ONU em 2019, e pede a "todos que parem de instrumentalizar as religiões para incitar o ódio, a violência, o extremismo e o fanatismo cego".

Alessandro De Carolis - Vatican News

Ouça e compartilhe!

A hashtag #FraternidadeHumana acompanha o tweet de Francisco e a memória voa para a noite de Abu Dhabi em fevereiro de 2019, para uma assinatura e um aperto de mão que sancionam uma comunhão de pontos de vista e escrevem a seu respeito a primeira página.

A “Fraternidade Humana” é o valor que o Papa e o Grão Imame de Al-Azhar, Al-Tayyeb, oferecem como inspiração universal para aproximar e fazer compreender quem e aquilo que é considerado muito diferente, por credo e cultura, para poder fazê-lo. Uma forma sustentável porque essencialmente solidária.

Fraternidade que, se vivida, exclui a violência que transforma o sentimento religioso em um alvo. Como o são no mundo, somente entre os cristãos, pelo menos 300 milhões de pessoas.

A fé não deve ser instrumentalizada

 

Este é um tema muito caro ao Papa, que em seu tweet para o Dia da ONU dedicado a homenagear “as vítimas de atos de violência de religião ou crença”, repete com clareza usando as palavras do documento de Abu Dhabi: “Deus não precisa ser defendido por ninguém e não quer que o Seu nome seja usado para aterrorizar as pessoas. Peço a todos que parem de instrumentalizar as religiões para incitar ao ódio, à violência, ao extremismo e ao fanatismo cego.”

"Em frente na fraternidade"

 

O conceito o Papa o havia expresso, entre outras coisas, em termos semelhantes em fevereiro passado, com a mensagem de vídeo enviada a Abu Dhabi um ano após a assinatura do "Documento sobre a Fraternidade Humana".

Aquele, disse Francisco, foi "um grande acontecimento humanitário", o sinal de esperança "por um futuro melhor para a humanidade, um futuro livre do ódio, do ressentimento, do extremismo e do terrorismo, no qual prevalecem os valores de paz, amor e fraternidade”.

O presente e o futuro, eram seus votos, são um tempo e um espaço para "todos os modelos virtuosos de homens e mulheres que personificam o amor neste mundo por meio de ações e sacrifícios feitos pelo bem dos outros, não importa quão diferentes sejam por religião ou por pertença étnica e cultural".

“Peço a Deus Todo-Poderoso - concluiu Francisco - que abençoe todo esforço que beneficie o bem da humanidade e nos ajude a seguir em frente na fraternidade”.

22 agosto 2020, 13:44