Busca

Vatican News

Papa faz apelo à proteção dos refugiados, uma garantia de dignidade e segurança

O Dia Mundial do Refugiado, foi celebrado neste sábado (20), mas Francisco reforçou o convite a todos pelo compromisso de proteger milhares de migrantes forçados a fugir por causa de situações de grave perigo nos seus países. A pandemia salientou ainda mais essa necessidade em nível global, por isso, a exortação “para garantir a dignidade e a segurança” das pessoas refugiadas.

Andressa Collet – Vatican News

Ouça a reportagem com a voz do Papa e compartilhe

Pelo Dia Mundial do Refugiado, instituído pela ONU e celebrado neste sábado (20), o Papa Francisco já tinha lançado uma mensagem na sua conta oficial no Twitter que dizia: "Nos refugiados e nos deslocados está presente Jesus, forçado - como no tempo de Herodes - a fugir para Se salvar. Nos seus rostos somos chamados a reconhecer o rosto de Cristo que nos interpela".

O convite foi reforçado neste domingo (21), ao final da oração mariana do Angelus. O Pontífice lembrou que a crise provocada pelo coronavírus evidenciou ainda mais a necessidade de “assegurar a proteção” também às pessoas refugiadas, “para garantir a sua dignidade e segurança”:

“Convido vocês a se unirem à minha oração por um renovado e eficaz compromisso de todos em favor da efetiva proteção de todos seres humanos, em especial, daqueles que foram forçados a fugir por causa de situações de grave perigo para eles ou para as suas famílias.”

A família da humanidade

No Brasil, uma série de atividades estão sendo desenvolvidas dentro da 35ª Semana do Migrante, inclusive em modalidade online, para que as pessoas possam acompanhar de casa, mesmo em quarentena. Os detalhes da programação estão no site da CNBB, onde o presidente, dom Walmor Oliveira de Azevedo, divulgou uma mensagem sobre a “família da humanidade”. O arcebispo de Belo Horizonte (MG) afirma que “ao olhar para cada migrante e refugiado é necessário enxergar um irmão e uma irmã que veio de um outro lugar com hábitos e costumes diferentes”.

Cidadania sem fronteiras

O Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM), que articula e organiza os grupos que vivem o drama da migração forçada no Brasil, lançou um vídeo neste Dia Mundial do Refugiado. “A ideia foi trazer um pouco do rosto de vários migrantes que desbravam as fronteiras, carregando como bagagem a esperança”, afirma Eanes Silva, da Pastoral do Migrante de Balsas (MA), que produziu a obra. Eles declamam trechos do poema de Pe. Alfredo Gonçalves, intitulado “Fugitivo-Migrante”, quando escreve:

“Recorda sempre a fronteira que foste forçado a cruzar: lei, deserto, mar, mas não te esqueças que a superação de cada adversidade, pavimenta a estrada para uma cidadania sem fronteiras.”

Leia a íntegra do poema “Fugitivo-Migrante”, Pe. Alfredo Gonçalves:

 

Recorda sempre a casa que deixaste para trás,
mas não te esqueças que outras casas, mesmo se poucas,
abrem suas portas à solidariedade de quem está a caminho;
 
Recorda sempre a terra onde estão seputados teus ancestrais,
mas não te esqueças que ainda há espaço livre, embora não muito,
para lançar a semente de colheitas novas e mais promissoras;
 
Recorda sempre a família onde nasceste e cresceste,
mas não esqueças a família mais ampla, não de sangue,
que entrelaça os espíritos dispostos a romper todas as barreiras;
 
Recorda sempre a pátria que te viu nascer e te viu escapar,
mas não esqueças que outros hinos e bandeiras, com notas e cores várias,
povoam a face da terra com rica diversidade de povos e nações;
 
Recorda sempre as raízes e os valores de tua cultura original,
mas não esqueças que valores distintos, mas com raízes semelhantes,
mergulham no solo fértil o genuíno sabor da existência.
 
Recorda sempre os costumes, comidas e lições de tua gente,
mas não te esqueças que outros grupos humanos, com o mesmo respeito,
cultivam nodos de vida igualmente sábios, sadios e sólidos.
 
Recorda sempre a fronteira que foste forçado a cruzar: lei, deserto, mar,
mas não te esqueças que a superação de cada adversidade,
pavimenta a estrada para uma cidadania sem fronteiras.
 
Recorda sempre a religião na qual aprendeste a buscar o sentido da vida,
mas não esqueças que outros credos e outros ritos, em igual solenidade,
constituem caminhos difetrentes para reverenciar o único Deus e Senhor.
 
Recorda sempre o estado de fome e pobreza, violência e guerra
que um dia te obrigou a abandonar a terra natal,
mas não esqueças que, apesar das ruínas, cinzas e escombros,
a travessia é capaz de transformar a fuga em nova busca,
onde a esperança converte o fugitivo em migrante,
profeta e protagonista de um amanhã livre e renovado.
 
Confira o vídeo feito pela Pastoral do Migrante
21 junho 2020, 12:35