Busca

Vatican News

Que vosso trabalho, não privado de riscos, seja animado pela fé, pede Papa a policiais

Na Audiência na manhã deste sábado aos dirigentes e agentes da Inspetoria da segurança pública do Vaticano, o Papa Francisco expressou seu reconhecimento pelo "serviço diário, realizado de uma forma louvável".

Amedeo Lomonaco - Cidade do Vaticano

A cada novo ano, já é “uma tradição bem consolidada” o encontro com as chefias e agentes da Inspetoria de Segurança Pública do Vaticano, disse o Papa Francisco no final da manhã deste sábado, 8, ao expressar gratidão aos policiais pelo “precioso trabalho”.

Uma presença discreta, atenta e eficaz

 

Trata-se, de fato, de um serviço prestado à Santa Sé e ao Estado da Cidade do Vaticano - explica o Papa - que "tem um significado e um valor peculiar":

Ouça e compartilhe!

Não é fácil se relacionar todos os dias com turistas e peregrinos que visitam a Praça, a Basílica de São Pedro e os Museus do Vaticano, ou que vêm para encontrar o Papa. Nas várias situações, vocês são chamados a conjugar suas exigências com as indispensáveis regras de ordem pública e desenvolvimento pacífico da vida em torno da Cidade do Vaticano e dos lugares sagrados para a fé católica. E seu trabalho é igualmente importante por ocasião das minhas visitas pastorais a Roma e Itália, onde quer que me conduza o exercício do ministério petrino. Já tantas vezes pude constatar pessoalmente sua presença discreta, atenta e eficaz!

Vínculo fiel à Sé Apostólica

 

O trabalho realizado pelos agentes da Inspetoria de Segurança Pública é um trabalho - observa o Papa - que "além de competência e profissionalismo", demostra o "amor sincero e um vínculo fiel à Sé Apostólica":

Por tudo, especialmente pelo seu trabalho quotidiano, realizado de forma louvável, sou pessoalmente agradecido a vocês. E, nessa circunstância, pretendo renovar minha estima pelo espírito que os anima. A cooperação constante com a Gendarmaria do Vaticano o torna ainda mais eficaz e meritório.

"Que o Senhor - acrescenta o Papa - abençoe todas as suas atividades e toda a sua vida, os ideais, os propósitos, as aspirações".

Francisco, por fim, renova os votos de que "o trabalho diário, não isento de riscos, seja sempre animado pela chama da fé, da esperança e da caridade. Uma chama humilde, simples, mas genuína.”

08 fevereiro 2020, 12:38