Busca

Vatican News

Caravana da Paz leva 3 mil adolescentes à Praça São Pedro para o Angelus com o Papa

Dois adolescentes inclusive estiveram ao lado de Francisco neste domingo (26) e puderam ler uma carta com o intuito de “gritar o desejo de paz à nossa cidade e ao mundo inteiro”. De fato, os representantes jovens da Ação Católica da Itália estão empenhados em melhorar a capital de Roma, inclusive com o slogan “É a Cidade Justa”.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

Ouça a reportagem com a voz do Papa

Ao final das saudações durante o Angelus deste domingo (26), o Papa Francisco agradeceu a iniciativa da Ação Católica que está promovendo a Caravana da Paz há 41 anos. Mais de 3 mil crianças e adolescentes, dos 4 aos 14 anos, acompanhados dos pais e educadores, participaram da manifestação contra todo tipo de violência e prepotência e de “viver com o coração a cidade” de Roma.

“Saúdo com afeto os adolescentes da Ação Católica, das paróquias e das escolas católicas da Diocese de Roma! Também este ano, acompanhados pelo bispo auxiliar, dom Selvadagi, pelos seus pais e educadores e pelos sacerdotes assistentes, vocês vieram em grande número na conclusão da "Caravana da Paz".”

Um grito de desejo de paz a Roma

Em seguida, com a presença de dois representantes da Ação Católica ao lado do Pontífice, o Papa convidou à leitura de uma carta que teve o intuito de “gritar o desejo de paz à cidade e ao mundo inteiro”. De fato, os representantes jovens da associação de leigos estão empenhados em melhorar a capital de Roma, com pequenos gestos quotidianos para torná-la mais acolhedora e próxima às pessoas, inclusive com o slogan “É a Cidade Justa”, como a adolescente leu:

“Dizem que Roma seja uma cidade barulhenta e com muita confusão. Então! Nós hoje quisemos trazer um pouco daquele barulho e confusão positiva para que nos ouçam e para poder lançar as nossas mensagens de paz.”

Neste ano, os jovens também estão empenhados em fazer pequenas renúncias para ajudar crianças e famílias que vivem longe de Roma, no Paquistão e no Quênia. E, no ano de conclusão das comemorações dos 150 anos da Ação Católica de Roma e dos 50 anos da Ação Católica dos Jovens, a caravana convidou o Papa para simbolicamente apagar juntos as velas, ao expressar os desejos de “de se tornar sempre maiores na fé e mais próximos aos irmãos, aos últimos e aos pobres”.

26 janeiro 2020, 13:46