Busca

Vatican News
Praça São Pedro no Angelus Praça São Pedro no Angelus  (ANSA)

O Papa no Angelus: o Evangelho não é uma fábula, é a revelação do plano de Deus para nós

A novidade "chocante" do Natal é que o Verbo eterno se fez carne. Na recitação da oração mariana, Francisco explica como Jesus continua a vir entre nós para que cada um possa responder ao chamado a ser santo na caridade, preservando a gratuidade do dom que Deus nos deu.

Silvonei José - Cidade do Vaticano

Acolher "com alegria e gratidão" o plano divino de amor "para o homem e o mundo", realizado em Jesus Cristo. Esta é a exortação do Papa durante o Angelus deste domingo, na Praça São Pedro, no segundo domingo do Tempo de Natal.

Novidade chocante

Enquanto continuamos a contemplar o "sinal admirável do Presépio", Francisco convida a "ampliar o olhar" e a tomar “plena consciência do significado do nascimento de Jesus" através das leituras bíblicas deste domingo, em particular a carta de São Paulo Apóstolo aos Efésios e o Evangelho.

Ouça a reportagem

O Evangelho, com o Prólogo de São João, mostra-nos a novidade chocante: o Verbo eterno, o Filho de Deus, "fez-se carne". Ele não só veio para morar entre o povo, mas se tornou um do povo, um de nós! Depois deste evento, para orientar nossas vidas, não temos mais apenas uma lei, uma instituição, mas uma pessoa, uma Pessoa divina, Jesus, que guia nossas vidas, a fazer o caminho porque Ele o fez por primeiro.

Papa Francisco
Papa Francisco

Predestinados a ser filhos de Deus

São Paulo, continua o Pontífice, abençoa a Deus "pelo seu plano de amor realizado em Jesus Cristo". Neste plano cada um de nós - observa -, encontra a sua "vocação fundamental": somos "predestinados" a ser filhos de Deus "através da obra de Jesus Cristo". O Filho eterno, se fez carne, portanto, para "introduzir-nos em sua relação filial com o Pai".

A Liturgia deste domingo nos diz que o Evangelho de Cristo não é uma fábula, não é um mito, nem uma história edificante. O Evangelho de Cristo é a plena revelação do plano de Deus para o homem e para o mundo. É uma mensagem ao mesmo tempo simples e grandiosa, que nos leva a nos perguntarmos: que projeto concreto o Senhor colocou em mim, atualizando ainda o seu nascimento entre nós? É o apóstolo Paulo que sugere a resposta: "Deus nos escolheu para sermos santos e imaculados perante Ele na caridade".

Tornar-se santos no amor

Este, afirma Francisco, é o significado do Natal. "Se o Senhor continua a vir entre nós, se continua a dar-nos o dom da sua Palavra", é para que cada um de nós possa responder ao chamado a "tornar-se santos no amor".

Santidade é preservar o dom que Deus nos deu. Só isto: preservar a gratuidade. Isto é ser santo. Portanto, quem acolhe a santidade em si mesmo como um dom de graça, não pode deixar de traduzi-la em ações concretas na vida quotidiana. Este dom, esta graça que Deus me deu, eu a traduzo em ação concreta na vida quotidiana, no encontro com os outros. Esta caridade, esta misericórdia para com o próximo, reflexo do amor de Deus, ao mesmo tempo que nos purifica o coração e nos dispõe ao perdão, torna-nos dia após dia "imaculados", mas imaculados não no sentido de que eu removo uma mancha: imaculados no sentido de que Deus entra em nós. O dom, a gratuidade de Deus entra em nós e nós a preservamos e a damos aos outros.

Pôr em prática o compromisso de paz

Após a recitação da oração mariana, o Papa saudou os peregrinos presentes e recordou a solenidade da Epifania nesta segunda-feira e, no primeiro domingo de 2020, renovou a todos os seus desejos "de serenidade e paz no Senhor".

Nos momentos felizes e difíceis, confiemo-nos a Ele, que é a nossa esperança! Recordo também o compromisso que assumimos no Dia de Ano Novo, Dia da Paz: "A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica". Com a graça de Deus, seremos capazes de colocá-lo em prática.

Angelus de 05 de janeiro de 2020
05 janeiro 2020, 12:56