Busca

Vatican News
Papa Francisco saúda o cardeal Angelo Becciu, prefeito da Congregação das Causas dos Santos Papa Francisco saúda o cardeal Angelo Becciu, prefeito da Congregação das Causas dos Santos  (Vatican Media)

O Papa: a santidade é a palavra de Deus encarnada na história

Francisco manifestou a alegria de encontrar-se com “a grande família da Congregação das Causas dos Santos, que desempenha o seu trabalho a serviço da Igreja universal, reconhecendo a santidade daqueles que seguiram Cristo fielmente”.

Mariangela Jaguraba - Cidade do Vaticano

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta quinta-feira (12/12), na Sala Clementina, no Vaticano, os membros da Congregação das Causas dos Santos por ocasião de seus 50 anos de fundação.

Francisco manifestou sua alegria de se encontrar com “a grande família da Congregação das Causas dos Santos, que desempenha o seu trabalho a serviço da Igreja universal, reconhecendo a santidade daqueles que seguiram Cristo fielmente”.

Todo santo é uma missão

Em 8 de maio de 1969, São Paulo VI decidiu substituir a Congregação dos Ritos Sagrados com dois dicastérios: a Congregação das Causas dos Santos e a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. “Com essa decisão, ele permitiu dedicar recursos adequados de pessoas e trabalhar em duas grandes áreas claramente distintas, para corresponder melhor às solicitações cada vez mais numerosas das Igrejas particulares e à sensibilidade conciliar.”

Ouça a reportagem

Neste meio século de atividade, sua Congregação examinou um grande número de perfis biográficos e espirituais de homens e mulheres, para apresentá-los como modelos e guias da vida cristã. As várias beatificações e canonizações que foram celebradas nas últimas décadas significam que os santos não são seres humanos inacessíveis, mas estão próximos de nós e podem nos ajudar no caminho da vida. De fato, «são pessoas que experimentaram a fadiga cotidiana da existência com seus sucessos e fracassos, encontrando no Senhor a força para se levantar sempre e prosseguir o caminho». É importante medir nossa coerência evangélica com diferentes tipos de santidade, pois «todo santo é uma missão; é um projeto do Pai para refletir e encarnar, num momento específico da história, um aspecto do Evangelho».

Ver a santidade no povo de Deus

Segundo o Papa, “o testemunho dos beatos e dos santos nos ilumina, nos atrai e nos coloca em questão, porque é “palavra de Deus” encarnada na história e próxima de a nós. A santidade permeia e acompanha sempre a vida da Igreja peregrina, muitas vezes de maneira oculta e quase imperceptível.

“Portanto, devemos aprender a «ver a santidade no povo de Deus paciente: nos pais que crescem seus filhos com tanto amor, nos homens e mulheres que trabalham para levar comida para casa, nos doentes, nas religiosas idosas que continuam sorrindo. [...] Isso é muitas vezes a santidade “da porta ao lado”, daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo da presença de Deus».”

“A santidade é a verdadeira luz da Igreja: como tal, deve ser colocada no candelabro para que possa iluminar e guiar o caminho em direção a Deus do povo redimido. Trata-se de uma verificação cotidiana realizada por esse Dicastério, que desde a antiguidade foi realizada com diligência e precisão na pesquisa investigativa, com seriedade e competência no estudo das fontes processuais e documentais, com objetividade e rigor no exame e em todos os graus de julgamento, relativo ao martírio, virtudes heroicas, oferta da vida e milagre. Esses são critérios fundamentais, exigidos pela gravidade do assunto tratado, pela legislação e pelas justas expectativas do povo de Deus, que confia na intercessão dos santos e se inspira em seu exemplo de vida", disse ainda Francisco.

Os postuladores devem ter atitude de serviço à verdade 

O Papa disse ainda que “seguindo este caminho, o trabalho da Congregação permite limpar o campo de toda ambiguidade e dúvida, obtendo uma certeza plena na proclamação da santidade. Os consultores, no âmbito histórico, teológico e médico são chamados a cumprir com liberdade de consciência o seu trabalho, estudando atentamente os casos que lhes foram confiados e formulando os julgamentos com uma reflexão amadurecida, imparcial e sem condicionamentos”.

Segundo o Papa, “os postuladores devem estar mais conscientes de que sua função exige uma atitude de serviço à verdade e de cooperação com a Santa Sé. Eles não devem ser guiados por visões materiais e interesses econômicos. Não devem buscar sua afirmação pessoal e, acima de tudo, devem fugir de tudo aquilo que contradiz o significado do trabalho eclesial que desempenham”.

“Que os postuladores tenham consciência de que as Causas de beatificação e canonização são realidades espirituais. Portanto, devem ser tratadas com sensibilidade evangélica e rigor moral”, concluiu o Papa.

 

 

12 dezembro 2019, 11:59