Busca

Vatican News

Colaboradoras diocesanas: uma forma de presença feminina na Igreja

A história das Colaboradoras paroquiais e diocesanas teve início a partir da própria vida e experiência no apostolado associado da ação dos fiéis leigos na Igreja, recordou o Papa em seu discurso.

Manoel Tavares - Cidade do Vaticano

O Santo Padre encerrou seus compromissos na manhã deste sábado (14/12), recebendo na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 120 Auxiliares diocesanas de Milão e Colaboradoras apostólicas das Dioceses de Pádua e Treviso, acompanhadas por seus respectivos Bispos e sacerdotes.

Em seu discurso aos presentes, o Papa destacou o aspecto central e significativo das Auxiliares e Colaboradoras diocesanas, que representa uma forma de presença das mulheres na Igreja. E referindo à sua história, que teve início na diocese de Milão, durante o episcopado de Dom João Batista Montini, depois Papa São Paulo VI, Francisco disse:

“Segundo a sua história, vocês não nasceram em torno de uma mesa, tampouco por necessidade ideológica, mas a partir da sua vida e experiência no apostolado associado, especialmente na Ação Católica, sobre a ação dos fiéis leigos na Igreja. Vocês nasceram pela sua colaboração com os sacerdotes na pastoral paroquial e diocesana”.

Ouça a reportagem

Feminismo

Jesus, disse o Papa, acolheu "algumas mulheres" entre seus discípulos e em íntima colaboração com os Doze, não por mero feminismo, mas porque o Pai o fazia encontrar essas irmãs, às vezes necessitadas de cura, exatamente como os homens. Entre elas, Maria de Mágdala tinha um carisma particular de fé e amor pelo Senhor, tanto que Ele se apresentou primeiro a ela, na manhã de Páscoa, pedindo-lhe para levar o anúncio do Ressuscitado aos demais irmãos. Logo, ela foi uma apóstola entre os apóstolos. E Francisco acrescentou:

“Mas, também outras mulheres tiveram uma presença determinante no anúncio da Ressurreição. Por isso, é justo e bonito o nome que vocês receberam do Arcebispo Montini: 'mulheres da ressurreição'.”

A seguir, citando o Concílio Vaticano II, o Papa explicou o significado particular da Ação Católica: "Leigos que se oferecem, espontaneamente, ou são convidados para atuar e colaborar com o apostolado eclesial”. Eis o ponto de partida original e qualificativo da Ação Católica, disse Francisco:

“A experiência de colaborar diretamente com os pastores a serviço das pessoas, do Povo de Deus, nas paróquias, oratórios, dioceses, entre os pobres, nas prisões ... A quem presta este serviço, às vezes difícil e cansativo, o Espírito Santo concede dons especiais, que até podem se tornar consagração na Igreja”.

Discernimento

Aqui, acrescentou o Pontífice, cabe aos Bispos e sacerdotes fazer o discernimento, afim de que a ação das colaboradoras pastorais não se torne funcionalismo. Assim, seu carisma é avaliado, acolhido e reconhecido na comunidade diocesana.

Mas, recordou o Papa, há também outras formas de cooperação das mulheres na Igreja, tanto religiosas como seculares, mas cada uma com a sua especificidade, carisma e fidelidade. E Francisco concluiu:

“Este aspecto de fidelidade ao seu povo, com sua história, riquezas e pobrezas, é uma característica essencial da missão de Jesus Cristo, enviado pelo Pai às 'ovelhas perdidas da casa de Israel'. Esta fidelidade custa, como o sacrifício da cruz, mas é fecunda e regeneradora, segundo os desígnios de Deus.”

Por fim, o Santo Padre agradeceu às Colaboradoras paroquiais e diocesanas, pelo seu precioso testemunho, encorajando-as a continuar assim com a alegria da ressurreição e a paixão pelo seu povo.

14 dezembro 2019, 12:38