Cerca

Vatican News
Papa Francisco recorda atentado em Buenos Aires Papa Francisco recorda atentado em Buenos Aires 

Papa: religião não leva à guerra; a fraternidade une

O Papa Francisco recorda os 25 anos do atentado antissemita em Buenos Aires com uma mensagem à Associação Mutual Israelita Argentina.

Cidade do Vaticano

O Papa Francisco enviou uma mensagem por ocasião dos 25 anos do atentado contra o centro judaico “AMIA” de Buenos Aires.

Em 18 de julho de 1994, a Associação Mutual Israelita Argentina foi atacada e 85 pessoas morreram e centenas ficaram feridas.

Ao presidente da Associação, Jorge Knoblovits, o Pontífice expressa seu apoio às famílias das vítimas e repudiou os ataques terroristas que são cometidos em nome da religião.

"Passaram-se 25 anos da tragédia da AMIA. Como no primeiro dia, a cada 18 de julho meu coração acompanha os familiares das vítimas, sejam judias ou cristãs. E desde o primeiro dia, peço a Deus pelo descanso eterno de quem perdeu a vida neste ato de loucura", assim tem início a carta de Francisco.

Ouça a reportagem

O Papa recorda também quem sobreviveu ao atentado. "Peço também por quem sobreviveu à explosão, levando desde então a feridas em seus corpos e em suas almas".

Guerra Mundial em pedaços

Nos parágrafos sucessivos, Francisco condena o terrorismo "em nome da religião", reiterando que estamos atravessando uma "terceira guerra mundial em pedaços", devido à proliferação de ataques terroristas em várias partes do mundo nos últimos 25 anos.

"Demasiadas vezes nesses 25 anos vimos vidas e esperanças truncadas em nome da religião", lê-se ainda na carta. "Bem sabemos que não é a religião que incita e leva à guerra, mas a obscuridade nos corações de quem comete atos irracionais. Deus nos chamou para viver como irmãos", escreve ainda o Papa.

Fraternidade não tem limites ideológicos

Por fim, Francisco enfatiza que a fraternidade "une a humanidade" e atravessa "limites geográficos e ideológicos".

"Nesta recordação dos 25 anos, estou com vocês e rezo com vocês. Que o Deus de nossos pais os abençoe e os proteja”, conclui o Pontífice.

O atentado

Ocorrido no bairro portenho de Once, o bombardeio do prédio AMIA foi o ataque mais mortal da Argentina. Até hoje, ninguém foi condenado. Em 2005, o então arcebispo, cardeal Jorge Mario Bergoglio, hoje Papa Francisco, foi a primeira personalidade pública a assinar uma petição pedindo Justiça.

12 julho 2019, 15:13