Cerca

Vatican News

Papa: Beata Guadalupe Ortiz, exemplo para mulheres cristãs engajadas no social e na pesquisa científica

A leiga do Opus Dei foi beatificada no sábado em Madri, em celebração presidida pelo Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu. A receita de sua santidade, disse o purpurado, foi ser "um instrumento dócil nas mãos de Deus."

Jackson Erpen e Roberta Barbi – Cidade do Vaticano

“Um exemplo para as mulheres cristãs engajadas no social e na pesquisa científica”. Após rezar o Regina Coeli neste domingo, assim o Papa referiu-se à leiga Maria Guadalupe Ortiz de Landázuri, do Opus Dei, beatificada no sábado em Madri. E aos presentes na Praça São Pedro, pediu um aplauso para ela:

Ouça e compartilhe!

Ontem em Madri, foi beatificada Maria Guadalupe Ortiz de Landázuri, fiel leiga do Opus Dei, que serviu com alegria os irmãos, conjugando ensino e o anúncio do Evangelho. Seu testemunho é um exemplo para as mulheres cristãs engajadas no social e na pesquisa científica. Vamos aplaudir a nova Beata, todos juntos...!

Beatificação presidida pelo cardeal Angelo Becciu 

 

Ser um instrumento dócil nas mãos de Deus: esta é a receita para a santidade que Maria Guadalupe Ortiz de Landázuri seguia ao pé da letra em seu trabalho e em sua vida, completamente fundada no amor de Deus, "que traduzia em uma vida repleta de piedade e de abandono em suas mãos, de zelo missionário”.

Assim o Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu, apresentou aos fiéis reunidos em Madri na celebração de beatificação, a figura desta mulher, a primeira leiga do Opus Dei a ser elevada à honra dos altares.

"Vocês são a luz do mundo"

 

O purpurado cita estas palavras de Jesus referidas no Evangelho de Mateus, para mostrar o quanto a nova Beata é  modelo "de como alcançar essa luz que é Cristo e como transmiti-la aos irmãos".

 

É isso que Jesus quer quando nos diz que somos a luz do mundo: ser capazes de conhecer a luz que nos vem d’Ele e que nos deu justamente vindo ao mundo.

"Temos uma missão - explica o cardeal Becciu - uma responsabilidade que vem do dom recebido: passar adiante essa luz e fazê-la brilhar diante dos homens". Maria Guadalupe sabia disso. Ela alcançava a luz de Cristo da vida, em constante comunhão com Ele, da participação na Santa Missa, na Confissão, da oração intensa.

Transformar tudo em oração

 

Segundo o prefeito, a grandeza desta mulher "tocada pela graça" e iluminada pelo encontro com o fundador do Opus Dei, "era transformar tudo o que fazia em oração".

É oração, portanto, a Cruz que conhece muito cedo em sua vida; é oração a perseverança, a sobriedade, a penitência. Ser sempre, em todas as circunstâncias, "dom para os outros": esse é seu modo de colocar Jesus no centro. Uma vida firmemente arraigada no Evangelho, que encontra as respostas para todas as questões mais dramáticas da vida, na consciência de que Deus nos ama. Mas com um propósito a mais: o de se tornar santa "na esteira da espiritualidade do Opus Dei, fortemente animada pelo desejo de envolver o maior número possível de irmãos e irmãs na mesma aventura".

Ir onde Deus nos quer

 

Maria Guadalupe tinha isso muito claro: ir onde Deus nos quer. Quer fosse na Europa ou mesmo no México, duas seriam para sempre as palavras-chave de sua vida:  social e pesquisa científica. Com o seu estilo de vida, a nova Beata "leva-nos a confiar em Deus e a sentir-nos sempre uma expressão da sua vontade - conclui o cardeal - e ensina-nos o quão belo é possuir a capacidade de escuta e uma atitude sempre alegre, mesmo nas situações mais dolorosas". Como Maria Guadalupe, que tirava força das dificuldades, transformando sofrimento e doença em oferendas ao Altíssimo.

19 maio 2019, 12:26