Vatican News
Mártires de La Rioja beatificados no sábado Mártires de La Rioja beatificados no sábado 

Papa recorda mártires de La Rioja: "perseguidos por causa da justiça e da caridade"

O Papa Francisco convidou a multidão de fiéis reunidos na Praça São Pedro para uma salva de palmas aos novos Beatos: "que seu exemplo e sua intercessão sustentem em particular, aqueles que trabalham por uma sociedade mais justa e solidária."

Jackson Erpen, Manuel Tavares - Cidade do Vaticano

O prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu, presidiu no sábado 27, na Argentina, à Beatificação de um bispo, dois sacerdotes e um leigo. Papa Francisco recordou deles como “mártires da fé”, “perseguidos por causa da justiça e da caridade”:

Ouça e compartilhe!

Ontem em La Rioja, na Argentina, foram proclamados Beatos Enrique Angel Angelelli, bispo diocesano, Carlos de Dios Murias, franciscano conventual, Gabriel Longueville, sacerdote 'fidei donum' e Wenceslao Pedernera, catequista, pai de família. Esses mártires da fé foram perseguidos por causa da justiça e da caridade evangélica. Que seu exemplo e sua intercessão sustentem em particular, aqueles que trabalham por uma sociedade mais justa e solidária. Um deles era francês, foi como missionário à Argentina. Os outros três são argentinos. Façamos um aplauso aos novos Beatos, todos!”.

 

Henrique Angelelli nasceu no dia 17 de junho de 1923, em Córdoba, filho de imigrantes italianos. Em 24 de agosto de 1969, foi nomeado bispo da Diocese de La Rioja, Argentina. Pela sua obra, ficou conhecido como "Bispo dos Pobres".

Em 4 de agosto de 1976, quando retornava para La Rioja, o carro que dirigia foi fechado por outro veículo, com agentes da ditadura argentina, e capotou. Dom Henrique estava acompanhado por três colaboradores diocesanos: padre Carlos de Dios Murias, padre Gabriel Longueville e o leigo Wenceslau Pedernera, pai de família.

Dom Angelelli foi um dos primeiros bispos latino-americanos mortos pela violência política. Era um pastor exemplar, cujo martírio ficou oculto por muito tempo por uma série de mentiras, omissões e calúnias.

Suas mortes somam-se à triste lista de dezenas e dezenas de sacerdotes, leigos e religiosas, vítimas nos últimos 50 anos na América Latina, da violência política e do narcotráfico.

28 abril 2019, 12:17