Cerca

Vatican News
Papa Francisco durante Exercícios espirituais em Ariccia Papa Francisco durante Exercícios espirituais em Ariccia  (ANSA)

Exercícios espirituais: reencontrar o desejo de voltar ao coração de Deus

O abade de São Miniato no Monte colocou no centro da reflexão, desta manhã, quinta medicação, a perspectiva do desejo que abre o homem ao mistério de Deus.

Cidade do Vaticano

“Os desejos ardentes” foi o tema proposto pelo abade Bernardo Francesco Maria Gianni nos Exercícios espirituais, na manhã desta quarta-feira (13/03), ao Papa Francisco e membros da Cúria Romana, em Ariccia, na Casa do Divino Mestre.

A meditação inspirou-se, como nos últimos dias, nos versos poéticos de Mario Luzi que fala do desejo de superar todas as formas de egoísmo, a fim de voltar para a presença, ao rosto, ao coração de Deus, fazendo-se testemunhas críveis “nas estradas em que somos chamados a ser missionários da fraternidade que transforma os nossos fechamentos em testemunho, em partilha do amor que recebemos”.

Ouça a reportagem

“Essa perspectiva vale de modo particularmente intenso  para a Igreja e para essa nossa comunidade que está vivendo os Exercícios espirituais a fim de voltar cada um para as suas responsabilidades como as estrelas do profeta Baruc que evocaremos amanhã”, disse o abade.

São Bento e o desejo de Deus

Bernardo Francesco Maria Gianni citou a Regra de São Bento que se abre na perspectiva do desejo e nos fala do “desejo de Deus de ser desejado”, explicando que é esse desejo que impele Deus “nesse movimento de descida do céu para ver, como nos diz a regra, se existe alguém que deseja ver dias felizes”.

“Realmente nos coloca na condição de redescobrirmos buscados e desejados pelo Senhor. Uma experiência, na realidade, não apenas dos monges, mas de toda a humanidade, se reencontra o desejo de descobrir-se finalmente desejada pelo Senhor”, frisou ainda o abade beneditino.

O nosso tempo perdeu a capacidade de desejar

Segundo o pregador, está difundido, hoje, o sentimento que nos faz dizer: não preciso de nada, sou rico. Aqui, o abade olha para o mundo atual, em particular, para a situação social italiana e especialmente para os jovens que vivem a experiência “do desinteresse pelo desejo, pelo desejo das coisas duradouras e importantes”. “Voltar a desejar é a virtude civil necessária para reativar uma sociedade saciada e sem estímulo”, disse ele.

Doar esperança à humanidade

O pregador repropôs um trecho da Constituição Pastoral Gaudium et spes, sobre a Igreja no mundo atual: “Podemos legitimamente pensar que o futuro da humanidade está nas mãos daqueles que são capazes de transmitir às gerações futuras razões de vida e esperança.”

“Eis aqui o convite a ser uma Igreja de desejos ardentes numa cidade de desejos ardentes, num mundo de desejos ardentes, despertando o máximo possível o desejo de Deus em todos aqueles que encontramos, lembrando-lhes a graça e o mistério de ter sido desejado, não obstante as características tortuosas e difíceis de sua vida talvez ainda jovem.”

Gratidão pelo dom de Francisco

Celebra-se, nesta quarta-feira, o sexto aniversário do início do pontificado de Francisco e o abade Bernardo Francesco Maria Gianni proferiu algumas palavras de gratidão a Deus por esse dom.

“Acredito”, disse ele, “que o nosso Papa realmente nos ensina a ir além dos confins. Recorda ao homem e a mulher do nosso tempo que existem fronteiras, mas acima de tudo, que são convidados pela força do Espírito Santo a superar esses confins, pois o coração do ser humano não tem fronteiras. Ele nos lembra isso todos os dias com a fidelidade destemida ao Evangelho”.

13 março 2019, 17:42