Cerca

Vatican News
O Pontífice expressa  suas sinceras condolências “a todos os quenianos, em particular às famílias dos falecidos e a todos os feridos”. O Pontífice expressa suas sinceras condolências “a todos os quenianos, em particular às famílias dos falecidos e a todos os feridos”.  (ANSA)

Pesar do Papa pelas vítimas de atentado no Quênia

O ataque que deixou 21 mortos foi reivindicado pelo grupo extremista Al-Shabab, como represália à mudança de sede de Embaixada dos EUA em Israel.

Jackson Erpen - Cidade do Vaticano

O Papa Francisco ficou “profundamente entristecido ao saber da perda de vidas e dos feridos após o ataque em um complexo hoteleiro em Nairóbi”.

É o que diz o telegrama assinado pelo cardeal secretário de Estado Pietro Parolin, em que o Santo Padre deplora o atentado terrorista ocorrido na terça-feira em Nairóbi, no Quênia.

Ouça e compartilhe!

“Sua Santidade o Papa Francisco – diz a mensagem - assegura a todos os atingidos por este ato sem sentido de violência, sua proximidade espiritual”, e apresenta suas sinceras condolências “a todos os quenianos, em particular às famílias dos falecidos e a todos os feridos”.

Rezando a Deus pela graça da cura, “ Sua Santidade invoca sobre toda a nação as divinas bênçãos de consolação e força”.

O ataque

 

O grupo terrorista Al-Shabab reivindicou o ataque ao complexo hoteleiro no Bairro Westlands, onde vivem muitos estrangeiros. De acordo com a imprensa israelense, a ação seria uma represália à transferência da Embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém.

O ataque ao complexo de luxo formado pelo resort DusitD2 e prédios de escritórios, teve início por volta das 15 horas (horário local) de terça-feira, quando um terrorista suicida detonou os explosivos em um banco próximo ao complexo. Seguiram-se outras explosões e tiros de kalashnikov. As autoridades conseguiram retirar cerca de 700 civis do local.

Na manhã da quarta-feira, o presidente queniano Uhuru Kenyatta confirmou o fim da operação de segurança, assegurando que todos os agressores foram mortos.

Em 2013, o mesmo grupo havia atacado um Centro Comercial em Nairóbi, matando ao menos 70 pessoas. Em 2015 o alvo foi a Universidade de Garissa. 150 pessoas morreram no ataque.
 

17 janeiro 2019, 15:21