Cerca

Vatican News
Beatificação dos mártires Beatificação dos mártires 

Papa: mártires beatificados na Argélia, sinal de grande fraternidade

Pela primeira vez em um país muçulmano, a Beatificação de 19 mártires cristãos. A mensagem do Papa: "um momento em que todos os povos buscam promover a sua aspiração a Viver juntos em paz"

Emanuela Campanile, Silvonei José - Cidade do Vaticano

Assassinados por ódio à fé, por terem testemunhado o amor de Cristo e terem escolhido permanecer na Argélia entre os habitantes locais, nos anos sombrios do terrorismo. Foi o destino comum dos 19 religiosos que neste sábado foram beatificados no Santuário de Notre-Dame de Santa Cruz, em Oran, na Argélia, na presença de muitos muçulmanos que, como declara Dom Desfarges (Arcebispo de Argel), querem "enfatizar que não foi o islamismo a matar, mas uma ideologia que desfigura essa religião".

Fiéis ao lado de fiéis

Entre 1994 e 1996, de fato, perderam suas vidas também 99 Imãs e com eles muitos jornalistas, escritores e intelectuais, que se recusaram a justificar a violência em nome de Deus. É a primeira vez que mártires cristãos são proclamados beatos em um país muçulmano, um sinal importante, explica o arcebispo, demonstrando que "as autoridades entenderam o verdadeiro sentido que queremos dar a esta celebração: dar testemunho de que é possível viver juntos, caminhar juntos, fiéis ao lado de fiéis " .

A mensagem do Papa

No final da missa, presidida pelo cardeal Angelo Becciu, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos e enviado especial do Papa, foi lida a mensagem especial do Santo Padre aos católicos da Argélia, "fraterno encorajamento para que" a celebração "possa ​​ajudar a curar as feridas do passado e criar uma nova dinâmica de encontro e de convivência como resultado dos nosso beatos". Na mensagem, Francisco dirige gratidão e intenções de oração também a "todos os filhos e filhas da Argélia que foram vítimas da mesma violência por terem vivido, com fidelidade e respeito uns pelos outros, os seus deveres de fiéis e cidadãos nesta terra abençoada ".

Continuar a trabalhar pelo diálogo

Para o Papa, com a beatificação destes irmãos e irmãs destes, "a Igreja quer demonstrar o seu desejo de continuar a trabalhar pelo diálogo, a harmonia e a amizade", na firme convicção de que este evento, sem precedentes na história da Argélia, "atrairá um grande sinal de fraternidade no céu argelino para o mundo inteiro":

"A Igreja Católica na Argélia sabe que ele é a herdeira, junto com toda a nação argelina, da grande mensagem de amor oferecida por um dos muitos mestres espirituais de sua terra, Santo Agostinho de Hipona. Ele deseja servir a essa mesma mensagem, em um momento em que todos os povos buscam promover sua aspiração de Viverem juntos em paz ".

Também  após o Angelus na Praça São Pedro, Francisco falou das figuras destes novos Beatos, chamando-os de "humildes construtores da paz e heroicas testemunhas da caridade cristã", "cujo testemunho corajoso é uma fonte de esperança para a comunidade católica da Argélia e semente de diálogo para toda a sociedade".

08 dezembro 2018, 15:56