Cerca

Vatican News
Dom Bernardito Auza na ONU Dom Bernardito Auza na ONU 

Dom Auza: apelo de Rondine forme novas gerações de líderes pela paz

A metodologia educacional de Rondine é a formação de jovens e líderes a fim de superar a tentação de desumanizar e classificar os outros como inimigos e vê-los como pessoas da mesma comunidade humana.

Cidade do Vaticano

“A Declaração Universal dos Direitos Humanos foi uma resposta aos erros de duas guerras mundiais, genocídios e outras barbáries.”

Foi o que disse o observador permanente da Santa Sé na ONU, em Nova Iorque, dom Bernardito Auza, na apresentação da campanha “Líderes pela Paz”, nesta segunda-feira (10/12), da associação italiana Rondine Cittadella della Pace, por ocasião dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Formação das pessoas

Em seu discurso, o arcebispo filipino ressaltou que os povos do mundo reconheceram que foram perpetradas ações muito más que não podem ser justificadas por ninguém e afirmados valores fundamentais que ninguém pode contestar.

Ouça a reportagem

A paz no mundo nasce do recordar que cada pessoa, jovem ou idosa, rica ou pobre, forte ou fraca, saudável ou doente, querida  ou indesejada, economicamente produtiva ou incapaz, politicamente influente ou não, tem dignidade e direitos inalienáveis por causa de sua humanidade.

O arcebispo sublinhou que quando não se entende essa verdade fundamental, abre-se o caminho para injustiças e atrocidades. Uma das coisas mais importantes para a paz no mundo é a formação das pessoas a reconhecer a dignidade e os direitos humanos de cada um, sem exceção.

Metodologia de Rondine Cittadella della Pace

“Esse trabalho a Associação Rondine fez com sucesso durante 20 anos” perto de Arezzo, na Itália, e em 15 palcos de conflito no mundo. Deseja estender a iniciativa através da campanha “Líderes pela Paz”.

A metodologia educacional de Rondine é a formação de jovens e líderes a fim de superar a tentação de desumanizar e classificar os outros como inimigos e vê-los como pessoas da mesma comunidade humana. A associação leva os jovens provenientes de países em conflito a viver, aprender e estudar juntos a fim de superar preconceitos e iniciar a construir algo juntos.

 

Dom Auza recordou o recente encontro do Papa Francisco com os jovens da Associação Rondine, no Vaticano, em que o Pontífice elogiou o compromisso educacional da organização.

No dia em que a Comunidade internacional celebra os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, “olhamos para o futuro com a esperança de que o apelo da associação Rondine pela paz forme realmente novas gerações de líderes”, concluiu Auza, a fim de que prospere a causa da paz assim como a promoção do respeito da dignidade humana e dos direitos humanos inalienáveis que tornam a paz algo possível.

11 dezembro 2018, 10:33