Versão Beta

Cerca

Vatican News

Canto e música, linguagens para testemunhar o Evangelho, diz Papa aos "Alunos do Céu"

Ao superar todas as fronteiras, vocês difundem uma mensagem de paz e de fraternidade, disse o Papa ao receber o grupo de jovens fundado em 1968 "Alunos do Céu".

Manuel Tavares - Cidade do Vaticano

O Santo Padre concluiu sua série de audiências na manhã deste sábado (10/11), recebendo na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 300 Membros da Associação "Alunos do Céu".

Os “Alunos do Céu” são um grupo de jovens, que, desde 1968, anunciam o Evangelho através da música e do canto, com concertos em toda a Itália e Europa. Este ano, a Associação completa 50 anos de fundação.

Ouça e compartilhe!

Em sua saudação à Comunidade "Alunos do Céu", - pelo seu Jubileu de Ouro e pelo 10º aniversário de morte do seu fundador, Padre Giuseppe Arione, jesuíta, - o Papa falou sobre esta realidade eclesial:

A sua realidade associativa, composta por dois grupos, ‘Revival’ e ‘Amém’, está inserida no antigo e prestigioso Instituto Social de Turim, cuja finalidade educativa é enriquecida pela experiência espiritual de Santo Inácio de Loyola (fundador da Companhia de Jesus). Com a ajuda do seu Assistente espiritual, vocês se comprometem a testemunhar o Evangelho com música e canto, buscando chegar aos corações de todos, inclusive dos que estão longe da Igreja ou da fé”.

A sua missão, frisou Francisco, se realiza nas pegadas do carisma e do testemunho do Padre Arione. Ao seguir as orientações do Concílio Vaticano II, por uma Igreja em diálogo com o mundo contemporâneo, o fundador opôs-se, em 1968, à atitude de protestos com o acolhimento:

Ele se dedicou a uma forma de apostolado utilizando a música e o canto como linguagem capaz de transmitir, de maneira universal, a beleza e a força do amor cristão. Ele passava pelos ‘cruzamentos das ruas’, até em lugares antes inexplorados pela Igreja, para se encontrar com os adolescentes e jovens. A todos, sem distinção, dirigia-se, com empatia e benevolência, propondo um caminho de fé e fraternidade, cuja finalidade era evangelizar com a música e cantar o amor de Deus, gerando amizade e partilha fraterna”.

Por isso, o Papa os encorajou a levar adiante o carisma deste generoso jesuíta, renovando-o nas suas formas, mas preservando a sua inspiração profética, válida e atual. Para que isto seja possível, afirmou Francisco, é preciso cuidar da vida interior, sem deixá-la "roubar" pelo barulho mundano, mas cultivá-la por meio da oração pessoal e comunitária, ouvindo a Palavra de Deus, participando dos Sacramentos e, sobretudo, da Confissão e da Eucaristia.

Somente assim, concluiu o Pontífice, suas vozes e suas músicas terão sucesso e serão enriquecidas pelo seu testemunho de vida cristã e a comunhão com Deus, como arautos do Evangelho e artesãos de paz e fraternidade.

Ao final, os "Alunos do Céu" cantaram o Aleluia e "Happy Day".

 

10 novembro 2018, 13:14