Versão Beta

Cerca

Vatican News
Papa Francisco - Angelus Papa Francisco - Angelus 

Papa Angelus: matrimônio é amor e fidelidade, mas a Igreja está próxima das situações de crise

O Papa Francisco recorda que "o amor de doação recíproca apoiada por Cristo" mantém os cônjuges unidos, enquanto a busca da própria satisfação" os divide. A Igreja não condena, mas é chamada a "levar de volta a Deus os corações feridos ou perdidos" daqueles que vivem "a experiência de relacionamentos rompidos".

Silvonei José - Cidade do Vaticano

 "No projeto original do Criador, não há homem que se case com uma mulher e, se as coisas não vão bem, ele a repudia. Não. Em vez disso, há o homem e a mulher chamados a reconhecerem-se, completarem-se, a ajudarem-se mutuamente no matrimônio": essa a advertência  feita pelo Papa Francisco que, no Angelus deste domingo na Praça São Pedro, comentou o Evangelho que "oferece a palavra de Jesus sobre o matrimônio".

"Este ensinamento de Jesus é muito claro e defende a dignidade do matrimônio, - disse o Papa - como união de amor que implica a fidelidade. O que permite que casais se mantenham unidos no matrimônio – explicou Francisco - é um amor de doação recíproca apoiado pela graça de Cristo. Se, ao invés, prevalece nos cônjuges, o interesse individual, a própria satisfação, então a união deles não será capaz de resistir".

Mas, o Papa esclareceu: "é a mesma página do Evangelho a nos lembrar, com grande realismo, que o homem e a mulher, chamados a viver a experiência do relacionamento e do amor, podem dolorosamente fazer gestos que a colocam em crise. Jesus não admite o repúdio e tudo o que pode levar ao naufrágio do relacionamento. O faz para confirmar o desígnio de Deus, no qual se destacam a força e a beleza do relacionamento humano.

“A Igreja, mãe e mestra – disse o Papa – que compartilha as alegrias e as fadigas das pessoas, por um lado, não se cansa de confirmar a beleza da família como nos foi entregue pela Escritura e pela Tradição; ao mesmo tempo - assegurou Francisco - se esforça para fazer sentir concretamente a sua proximidade materna àqueles que vivem a experiência de relacionamentos rompidos ou levados avante de maneira dolorosa e fadigosa".

"O modo de agir do próprio Deus com o seu povo infiel, isto é conosco, nos ensina que o amor ferido pode ser curado por Deus através da misericórdia e do perdão. Portanto, à Igreja, nestas situações, não é solicitado imediatamente e somente a condenação. Pelo contrário - concluiu o Papa -, em face de tantos dolorosos fracassos conjugais, a Igreja se sente chamada a viver a sua presença de caridade e de misericórdia, para levar de volta a Deus os corações feridos e perdidos".

Ouça a reportagem e partilhe
07 outubro 2018, 13:01