Versão Beta

Cerca

Vatican News
Presidente dos bispos estadunidenses, cardinale Daniel DiNardo Presidente dos bispos estadunidenses, cardinale Daniel DiNardo  (©CATHOLICPRESSPHOTO)

Abusos: Conferências episcopais do mundo manifestam apoio ao Papa

Várias Conferências episcopais do mundo escrevem ao Papa assegurando seu apoio, em comunhão com o compromisso do magistério de Francisco no combate aos abusos.

Cidade do Vaticano

Comunhão, colegialidade, apoio, fidelidade, proximidade, colaboração: são os termos mais presentes nas cartas abertas que as Conferências episcopais do mundo enviaram e estão enviando nestas horas ao Papa Francisco.

"Incansável trabalho pastoral" do Papa Francisco

As missivas têm lugar após a publicação do documento do arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio apostólico nos EUA, que acusa o Santo Padre e alguns purpurados de ter acobertado o caso do cardeal Theodore McCarrick. Acusado de abusos contra menores, em 27 de julho o Papa aceitou a renúncia do purpurado ao título de cardeal e dispôs a suspensão do mesmo de qualquer ministério público.

Apreço pela atuação do Papa

Os episcopados expressam sua proximidade ao Papa: os bispos do Peru, por exemplo, ressaltam seu “fraterno e episcopal apoio à lúcida, corajosa e firme modalidade” que o Papa tem “de conduzir a barca de Pedro”. Trata-se de um apoio necessário “diante da tentativa de desestabilizar a Igreja e seu ministério”.

Na mesma linha, também o Conselho episcopal latino-americano – Celam – que, numa carta de 26 de agosto, agradece ao Papa Francisco por seu “serviço repleto de abnegação pela Igreja” e oferece ao Pontífice “fidelidade, proximidade e colaboração a fim de que a verdade resplandeça acima de todo e qualquer pecado”.

Incansável trabalho pastoral

Também os bispos do Paraguai agradecem ao Santo Padre por sua guia e por dar continuidade “ao trabalho dos predecessores com muita humildade e firmeza” no combate aos abusos.

A conferência Episcopal Espanhola, presidida pelo cardeal Ricardo Blázquez Pérez, faz a mesma coisa ao manifestar proximidade a Francisco: “Santo Padre, o senhor não está sozinho”, escreve o purpurado, que dá graças a Deus pelo “incansável trabalho pastoral” levado adiante pelo Pontífice e por sua “dedicação ao ministério” petrino.

Reação dos bispos estadunidenses

“São dias difíceis e expressamos ao Papa nosso afeto fraterno – afirma o presidente do episcopado dos EUA, cardeal Daniel DiNardo –, ao tempo em que esta ferida aberta dos abusos nos desafia a ser firmes e decididos na busca da verdade e da justiça.”

O purpurado pede uma audiência ao Papa para obter seu apoio ao plano de ação dos bispos estadunidenses inspirado na recente carta de Francisco do Povo de Deus, em que se incluem “propostas mais detalhadas” para simplificar a delação de abusos e comportamentos incorretos por parte de bispos e para melhorar os procedimentos para resolver as recriminações contra os bispos.

Outros prelados estadunidenses, como o arcebispo de Philadelphia, Charles Chaput, e o bispo de Phoenix, Thomas Olmsted, disseram não ter conhecimento direto dos fatos, mas falam do ex-núncio em Washington de modo positivo.

Por sua vez, o bispo de San Diego, Robert McElroy, disse que o testemunho de Dom Viganò é uma distorção e que os ataques deste são inspirados por seu ódio ao Papa Francisco e a tudo aquilo que ensina. “Juntos com o Papa Francisco estamos confiantes de que a verificação das afirmações” de Dom Viganò “ajudará a estabelecer a verdade”, destaca por fim.

30 agosto 2018, 14:35