Versão Beta

Cerca

Vatican News
 Theodore McCarrick Theodore McCarrick 

Papa aceita renúncia de McCarrick: não é mais cardeal

Acusado de abuso contra menores quando era sacerdote em Nova York há mais de 45 anos, McCarrick apresentou sua renúncia, que foi aceita pelo Papa Francisco.

Cidade do Vaticano

Theodore McCarrick, 88 anos, arcebispo emérito de Washington, não é mais cardeal. "Papa Francisco - informa a Sala de Imprensa do Vaticano - aceitou sua renúncia" e "ordenou sua suspensão do exercício de qualquer ministério público, juntamente com a obrigação de permanecer em uma casa que lhe será indicada, para uma vida de oração e de penitência, até que as acusações feitas contra ele sejam esclarecidas pelo processo canônico regular".

A carta com a qual McCarrick "apresentou a renúncia como membro do Colégio dos Cardeais" chegou às mão do Papa Francisco na noite de sexta-feira, 27.

Acusações credíveis e fundadas

 

No mês passado, o cardeal secretário de Estado, Pietro Parolin, seguindo as instruções do Papa Francisco, já havia dado instruções para que o cardeal McCarrick não exercesse mais publicamente seu ministério sacerdotal.

A decisão seguiu-se às conclusões de uma Comissão da Arquidiocese de Nova York, que havia definido como "credíveis e fundadas" as alegações contra McCarrick sobre abusos por ele cometidos contra um menor, há mais de 45 anos, quando era sacerdote em Nova York. McCarrick aceitou a decisão dizendo que era inocente.

Card. O'Malley: comportamento incompatível com o papel de padre, bispo ou cardeal

 

Nos dias passados, o cardeal Sean Patrick O'Malley, arcebispo de Boston e presidente da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores, disse estar chocado com as notícias sobre McCarrick, que também foi acusado de comportamento sexual inadequado com adultos.

"Essas presumíveis ações " - disse O'Malley em um comunicado - "são moralmente inaceitáveis ​​e incompatíveis com o papel de padre, bispo ou cardeal". "Esses e outros casos exigem mais do que um pedido de desculpas" - sublinhou  - observando que "quando são feitas acusações contra um bispo ou um cardeal, ainda há uma grande lacuna nas políticas da Igreja sobre comportamento e abuso sexual".

A Igreja nos Estados Unidos adotou uma política de "tolerância zero" em relação ao abuso sexual de menores por padres, mas são necessários "procedimentos mais claros para os casos envolvendo bispos".

Ouça e compartilhe!
28 julho 2018, 13:48