Versão Beta

Cerca

Vatican News

Óbolo de São Pedro: para Francisco, vida cristã floresce nas obras de caridade

No Dia da Caridade do Papa, também chamado Óbolo de São Pedro, recordamos as intervenções mais incisivas do Papa Francisco sobre o tema. "O cristão - disse ele várias vezes - existe para servir". Da África à Ásia, há muitas obras realizadas com o recurso vindo desta iniciativa.

Benedetta Capelli – Cidade do Vaticano


Como todos os anos, na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo renova-se o compromisso com o Óbolo de São Pedro, uma coleta especial para as obras de caridade do Santo Padre. No site http://www.obolodisanpietro.va, há também a possibilidade de doar com cartão de crédito ou encontrar os detalhes para a transferência bancária.

Uma tradição secular

 

A prática de apoiar materialmente as obras de caridade é muito antiga – lê-se no site do Óbolo - e começou com o próprio cristianismo, na dedicação e no cuidado dos mais necessitados.

No final do século VIII, os anglo-saxões, após sua conversão, decidiram enviar anualmente uma contribuição ao Papa. Assim nasceu o "Denarius Sancti Petri" (Esmola a São Pedro), que logo difundiu-se por toda a Europa. Depois de muitas vicissitudes, foi Pio IX, com a Encíclica Saepe venerabilis de 5 de agosto, a instituí-lo como prática.

As obras de caridade do Óbolo de São Pedro

 

São os mais diversos recantos do mundo a serem beneficiados com a caridade do Papa. Do Haiti - atingido por uma grave crise humanitária após o terremoto de 2010 - até Ilha grega de Lesbos, também atingida por um violento terremoto em 2017.

Nestes casos a Igreja, graças ao Óbolo, tomou medidas para ajudar as pessoas atingidas e a reconstruir, no caso de Lesbos, o povoado ortodoxo da Vrisa, dando assim um sinal tangível de fraternidade no ecumenismo.

Depois, há Bangladesh com o apoio às obras de muitas Congregações religiosas nos campos da saúde e da educação; na África Central com o apoio ao Hospital Infantil de Bangui, graças também ao compromisso do Hospital “Bambino Gesù”, de Roma.

Na Jordânia, uma universidade católica recebe ajuda, assim como a população na Ucrânia, que sofre devido à guerra civil. Depois, há Ruanda com a ajuda de freiras salesianas empenhadas em assegurar educação à crianças com deficiência auditiva e, por fim, no Curdistão iraquiano, são oferecidas 10 bolsas para jovens deslocados.

Papa Francisco e a caridade

 

Em muitos pronunciamentos, o Papa Francisco repetidamente recordou que "o cristão existe para servir, não para ser servido", que não deve se cansar de ser misericordioso. E convidou a viver a caridade com pequenos gestos concretos, "nas pequenas obras de misericórdia" que nos fazem vislumbrar o amor de Deus.

"Realizar com alegria obras de caridade - disse no Angelus de 18 de março de 2018 - por aqueles que sofrem no corpo e no espírito, é a maneira mais autêntica de viver o Evangelho, é o fundamento necessário para que as nossas comunidades cresçam na fraternidade e na aceitação mútua. Eu quero ver Jesus, mas vê-lo por dentro. Entre em suas chagas e contemple esse amor de seu coração por você, por mim, por todos".
 

29 junho 2018, 14:55