Cerca

Vatican News
A família Sampaio participou da última missa do Papa em solo peruano A família Sampaio participou da última missa do Papa em solo peruano  (Vatican Media)

Último dia de viagem do Papa: denúncia e muita fé

Em discurso aos bispos do país, o Papa mencionou explicitamente o escândalo envolvendo a construtora brasileira Odebrecht. Da missa final, trazemos o testemunho de uma família brasileira.

Cristiane Murray – Lima

Mais uma missão cumprida: o Papa Francisco deixou na noite de domingo (21/01) a capital, Lima, encerrando sua primeira visita ao Peru, na qual esteve também em Puerto Maldonado e Trujillo. Foram 4 dias de atividades nos quais os peruanos mostraram sempre muita fé e carinho. 

Neste último dia, Francisco celebrou uma missa para um milhão e 300 mil pessoas que debaixo de um sol abrasador aguardaram horas na base aérea para estar na cerimônia, a mais participada desta sexta viagem latino-americana do Pontífice que começou no Chile.

Pedofilia, feminicídio, tráfico humano, destruição do ambiente, tráfico de drogas, desrespeito das populações nativas e do meio ambiente e corrupção foram temas denunciados por Francisco em seus discursos. Uma das mensagens mais incisivas, no entanto, emergiu durante a conversa com os bispos peruanos no arcebispado de Lima, na manhã de domingo. Condenando o fenômeno da corrupção na América Latina, o Papa disse que a política, em muitos países da região, está ‘muito doente’.

Exemplo concreto

O Papa mencionou explicitamente o escândalo envolvendo a construtora brasileira Odebrecht - que admitiu ter pago bilhões em propinas - como um exemplo de ganância descontrolada por todo o continente. E completou afirmando que ‘esta é somente uma pequena parte do problema’.

Em seguida, perguntou aos bispos: “O que acontece no Peru que todos os ex-presidentes são presos?” e citou Ollanta Humala, Alejandro Toledo, Alan García e Alberto Fujimori.

Missa e mensagem final: unidade esperança

Em seu último ato público, no final da missa, se despediu do Peru agradecendo as autoridades , os voluntários e a comissão organizadora, e convidou todos a não terem medo de ser os santos do século XXI.

Unidade e esperança: foram as palavras com que o Papa Francisco se dirigiu pela primeira vez aos peruanos, quando anunciou poucos meses atrás sua viagem a este país. A incumbência agora é do povo peruano: trabalhar, unidos pela esperança de um país melhor.  

O testemunho da família que veio de longe

Plácida Sampaio, que com seu marido, Assen, e a filha Natália, vieram de Cruzeiro do Sul, no Acre, para participar da missa e ver o Papa Francisco de perto nestes dias em Lima, deixaram seu testemunho ao Vatican News, que você pode ouvir aqui: 

Ouça a reportagem de Cristiane Murray

 

22 janeiro 2018, 06:31