Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Puerto Maldonado, no Peru, receberá visita do Papa e de 2 mil índios da Bolívia e do Brasil Puerto Maldonado, no Peru, receberá visita do Papa e de 2 mil índios da Bolívia e do Brasil 

Card. Hummes: "Urgente mostrar ao mundo situação dos índios"

Presidente da REPAM, Dom Cláudio afirma que são fortes os acenos que o Papa faz ao mundo, à sociedade e sobretudo, aos responsáveis políticos, econômicos e culturais de que os índios devem ser respeitados.

Cristiane Murray – Cidade do Vaticano

Ao convocar o Sínodo para a Pan-amazônia para outubro de 2019, o Papa Francisco deu uma prova de que os povos amazônicos e toda a região amazônica são uma preocupação fundamental de seu ministério. Indo além da questão ecológica, o que o Pontífice quer mostrar, chamando a atenção para esta periferia do mundo?

Quem responde é o Cardeal Cláudio Hummes, fundador e Presidente da REPAM, a Rede Eclesial que reúne ordens, congregações, movimentos e realidades engajadas dos nove países com área amazônica em seu território: Peru, Colômbia, Bolívia, Equador, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e Brasil.

“ O Papa dá sinais muito fortes de que é urgente mostrar ao mundo a situação a que os povos indígenas são submetidos e quais são os direitos e sonhos legítimos destes povos de continuar uma história milenar com a sua identidade, a sua cultura, a sua religião ”

Mostrar ao mundo como vivem os povos indígenas

"Os índios estão, ao mesmo tempo, abertos para ouvir, por exemplo, a questão da evangelização. São eles é que são os protagonistas, os sujeitos, aqueles que acolhem o que acham importante para o seu momento - bastante trágico – pelo mundo afora, e aqui na nossa Amazônia também, e em relação ao futuro próximo e ao futuro a longo prazo, porque isto também significa construir uma nova história, dar-lhes as condições de uma nova história”.

A voz de Francisco deve chegar aos responsáveis

“O Papa mostra isso, cada vez de novo com seus gestos, escritos, mensagens, com esta visita que fará e com o Sínodo para a Amazônia: são fortes acenos que o Papa faz ao mundo e à sociedade e sobretudo, aos responsáveis políticos, econômicos, culturais, etc. para que os índios sejam respeitados”.

A escolha preferencial do Papa pelas periferias do mundo

“É extremamente importante este aspecto: os vários gestos que o Papa tem feito e vai certamente continuar a fazer. Ele vai novamente ao encontro daqueles que são os últimos, nas periferias da humanidade e lá estão normalmente os indígenas: esquecidos, ignorados, quando não ameaçados ou massacrados”.

Salvar a região, mas antes de tudo, os povos

“O fato de o Papa, quando anunciou o Sínodo, ter dito o objetivo, ele colocou, em poucas palavras, imediatamente, a questão indígena, porque são as pessoas, os povos que estão ali. É importantíssimo salvar a região amazônica, mas o valor maior são os povos que vivem ali e que precisam que a Amazônia seja preservada”. 

Ouça e compartilhe

Photogallery

Conheça a REPAM
08 janeiro 2018, 18:00