Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Papa no Angelus Papa no Angelus  (Vatican Media)

Papa no Angelus: prepotência, sede de poder e de riquezas contrastam com a fé cristã

Francisco recordou o Dia da Infância Missionária, celebrado este sábado, e felicitou algumas Igrejas orientais, católicas e ortodoxas, que este domingo, dia 7, celebram o Natal do Senhor.

Cidade do Vaticano

Após a celebração da Santa Missa, na Basílica de São Pedro, pela Solenidade da Epifania, o Papa Francisco assomou, ao meio-dia deste sábado (06/01), à janela da Residência Apostólica, que dá para a Praça São Pedro, para rezar a oração mariana do Angelus, com os milhares de fiéis e peregrinos presentes.

Guiados pela estrela, chegaram a Jerusalém

Em sua alocução, o Santo Padre citou três atitudes, destacadas pelo Evangelho deste sábado, Solenidade da Epifania, para o acolhimento de Jesus e a sua manifestação ao mundo: busca ansiosa, indiferença, medo.

Magos a caminho, em busca do Menino Jesus

Os Reis Magos não hesitaram a pôr-se a caminho em busca do Messias. Após uma longa viagem, guiados pela estrela, chegaram a Jerusalém e perguntaram a Herodes, aos Sumos Sacerdotes e aos Escribas onde poderiam encontrar o recém-nascido para adorá-lo. Explicando esta atitude evangélica, o Papa acrescentou a segunda, ou seja, a indiferença:

Esta busca ansiosa dos Magos é contraposta pela indiferença, dos Sumos Sacerdotes e dos Escribas. Conhecendo as Escrituras, eles sabiam onde era o lugar do nascimento de Jesus, mas não se incomodaram de ir visitá-lo, não obstante Belém estivesse a poucos quilômetros. Ainda pior, foi a atitude de Herodes, que queria saber onde estava o Menino, não para adorá-lo, mas para matá-lo, por medo de perder seu poder para aquele que considerava seu rival”. Logo, Francisco destaca as três atitudes do Evangelho da Solenidade da Epifania: busca ansiosa, indiferença, medo. E ponderou:

Jesus pode ser visto como obstáculo diante das ambições humanas

O egoísmo pode levar a considerar a vinda de Jesus, na nossa vida, como uma ameaça. Então, procuramos suprimir ou calar a sua mensagem. Diante das ambições humanas, perspectivas incômodas e inclinações do mal, Jesus é visto como obstáculo. Diante da tentação da indiferença, os cristãos são incoerentes com a sua fé, seguindo os príncipes deste mundo: satisfazer as inclinações da prepotência, a sede de poder e as riquezas”.

Ao contrário, disse o Papa, somos chamados a seguir o exemplo dos Magos: sua busca ansiosa para encontrar Jesus, adorá-lo, reconhecê-lo como Senhor e Salvador, como Caminho, Verdade e Vida. Ao término da sua alocução mariana, o Santo Padre invocou a Mãe de Jesus e nossa, para que, com a sua intercessão, possamos encontrar Cristo, a fim de progredirmos no caminho da justiça e da paz.

Felicitações do Papa a Igrejas orientais que celebram este domingo, dia 7, o Natal do Senhor

Depois da oração do Angelus, o Papa passou a cumprimentar os diversos grupos de fiéis presentes na Praça São Pedro. Antes de tudo, recordou que algumas Igrejas orientais, católicas e ortodoxas, celebram, este domingo, o Natal do Senhor:

A estas Igrejas dirijo as minhas felicitações mais cordiais. Que esta celebração seja fonte de novo vigor espiritual e de comunhão entre todos os cristãos, que reconhecem Jesus como Senhor e Salvador”.

Dia da Infância Missionária

A seguir, Francisco recordou o Dia da Infância Missionária, que se celebra neste sábado (06/01). A todas as crianças e adolescentes missionários convidou a dirigir seus olhares ao Menino Jesus, para que ele seja a guia preciosa no seu compromisso de oração, fraternidade e partilha entre seus coetâneos mais necessitados.

Por fim, cumprimentou os participantes na manifestação folclórica da XXIII edição de "Viva a Epifania", promovida pela Associação Famílias Europeias, cujo objetivo é reafirmar e transmitir o verdadeiro significado espiritual e os valores da Epifania do Senhor.

06 janeiro 2018, 12:49