Cerca

Vatican News
Concerto de Natal 2016 na Sala Paulo VI Concerto de Natal 2016 na Sala Paulo VI 

Papa recebe organizadores e artistas do Concerto de Natal do Vaticano

A arte é um formidável meio para abrir as portas da mente e do coração ao verdadeiro significado do Natal, enfatizou Francisco. A criatividade e a genialidade dos artistas com as suas obras, conseguem chegar aos registros mais íntimos da consciência.

Cidade do Vaticano

O Papa Francisco recebeu no final da manhã desta sexta-feira na Sala Clementina, cerca de 180 artistas e organizadores do “Concerto de Natal no Vaticano”, a ser realizado na Sala Paulo VI na noite deste sábado, 16 de dezembro.

Os fundos recolhidos com a venda de ingressos serão destinados à dois projetos educativos envolvendo crianças e jovens na República Democrática do Congo e na Argentina.

O empenho dos organizadores e aqueles que assistirão ao concerto – disse Francisco agradecido - é uma demonstração de “sensibilidade às necessidades” daqueles que mais precisam de ajuda e solidariedade, acrescentando:

O Natal - o sabemos - é uma festa sentida, participada, capaz de aquecer os corações mais frios, de remover as barreiras da indiferença em relação ao próximo, de encorajar à abertura ao outro e ao dom gratuito. Porque também hoje há a necessidade de difundir a mensagem de paz e de fraternidade precisamente no Natal; existe a necessidade de representar este acontecimento exprimindo os sentimentos autênticos que o animam”.

E a arte – enfatizou o Papa –“é um formidável meio para abrir as portas da mente e do coração ao verdadeiro significado do Natal”.

A criatividade e a genialidade dos artistas com as suas obras, também com a música e o canto – completou o Papa – “conseguem chegar aos registros mais íntimos da consciência. A arte entra justamente no íntimo da consciência”.

Ao concluir concedendo a sua bênção, Francisco fez votos de que o Concerto de Natal no Vaticano “possa ser uma ocasião para semear a ternura - esta palavra tão esquecida hoje! "Violência", "guerra"... não, não",  mas "a paz e a acolhida, que brotam da gruta de Belém”.

15 dezembro 2017, 13:26