Versão Beta

Cerca

Vatican News
Clima de tensão marca país africano há anos em situação de contínuas violências Clima de tensão marca país africano há anos em situação de contínuas violências  (AFP or licensors)

Dom Bertin (Somália): espero que apelo do Papa seja acolhido

“Nosso papel como católicos é estar presentes e acompanhar. Inclusive porque temos uma longa tradição de compromisso em favor da humanidade e da Somália", afirma o administrador apostólico de Mogadíscio, Dom Bertin

Cidade do Vaticano

“O apelo do Papa chega num bom momento. Espero que seja acolhido e sobretudo que ajude ao menos as forças do bem a se unirem um pouco mais porque o mal deve ser enfrentado juntos e não de modo disperso, cada um com uma agenda própria.”

Foi o comentário feito pelo bispo de Djibuti e administrador apostólico de Mogadíscio, Dom Giorgio Bertin, após o apelo do Papa Francisco pela Somália, da qual falou na conclusão da audiência geral desta quarta-feira (18/10). “Quando digo trabalhar juntos me refiro aos somalis entre si e à comunidade internacional”, precisou o prelado falando à agência Sir.

Compromisso em favor da humanidade e da Somália

“Nosso papel como católicos é estar presentes e acompanhar. Inclusive porque temos uma longa tradição de compromisso em favor da humanidade e da Somália. A Igreja está presente desde 1904 de modo contínuo no sul da Somália e, depois, com meus confrades franciscanos desde 1930”, continuou Dom Bertin.

“Muitas pessoas deram a vida pelo bem da população somali, como Annalena Tonelli, o bispo Salvatore Colombo, padre Turati, Graziella Fumagalli da Caritas italiana”, acrescentou.

“ Segundo o administrador apostólico, “cristãos e muçulmanos podem trabalhar juntos” ”

Trabalhar juntos em prol da mesma finalidade

A experiência mais bonita nestes anos “foi descobrir que entre a população – muçulmanos e ateus – existem muitas pessoas de boa vontade. É importante que todos nós nos comprometamos a trabalhar juntos em prol da mesma finalidade”, exortou.

“No passado houve várias conferências internacionais, mas muitas vezes tive a sensação de que quem organiza queira seguir uma agenda própria, para os interesses de seu país”, disse ainda Dom Bertin.

População somali no centro da nossa atenção

A sugestão do bispo italiano no país do Chifre da África desde 1978 é que se coloque “a população somali no centro da nossa atenção”. Nesse sentido, afirma, “a diáspora somali poderia desempenhar um papel importante”, para organizar uma agenda séria que verdadeiramente tenha a peito o bem da Somália. 

(Sir)

18 outubro 2017, 20:02