Cerca

Vatican News
Papa Francisco celebra na capela da Casa Santa Marta Papa Francisco celebra na capela da Casa Santa Marta  (Vatican Media)

Papa exorta à "vigilância e calma" contra "demônios educados"

Na homilia da Missa celebrada na manhã desta sexta-feira na Casa Santa Marta, o Papa Francisco convida à vigilância contra o demônio, sobretudo os demônios educados, que entram na alma sem serem percebidos.

Debora Donnini - Cidade do Vaticano

A essência do demônio é destruir ou diretamente com vícios e guerras ou tentar fazê-lo “educadamente”, levando a viver com “o espírito da mundanidade”. Este é o centro da homilia do Papa Francisco na missa celebrada esta manhã (12/10) na Casa Santa Marta. Uma reflexão sobre o Evangelho extraído de Lucas (Lc 11,15-26).

Estamos em luta: dentro de cada um de nós tem a luta entre Jesus e o diabo

 

“O demônio, quando toma posse do coração de uma pessoa permanece ali, como se fosse a sua casa e não quisesse sair”, destacou Francisco, acrescentando que quando Jesus expulsa os demônios, eles tentam arruinar a pessoa, fazendo mal “inclusive fisicamente”. Muitas vezes Jesus expulsa os demônios. Mais do que “a luta entre o bem e o mal”, que parece abstrata, o Papa ressaltou que “a verdadeira luta é a primeira luta entre Deus e a antiga serpente, entre Jesus e o diabo”. “E esta luta – advertiu - se faz dentro de nós. Cada um de nós está em luta, talvez sem que saibamos, mas estamos em luta”.

A vocação do demônio é destruir a obra de Deus

 

“A essência do demônio é destruir”, disse ainda o Papa, explicando que a sua vocação é precisamente “destruir a obra de Deus”. Francisco advertiu, porém, que o risco é ser como crianças, que chupam o dedo acreditando que não seja assim, que sejam invenções dos padres. O demônio, ao invés, destrói e quando não pode destruir face a face porque tem diante de si uma força de Deus que defende a pessoa, então sendo “mais esperto do que uma raposa”, astuto, busca o modo de tomar posse novamente daquela pessoa.

O Evangelho de hoje parte com algumas pessoas que acusam Jesus de ter expulso um demônio por meio de Beelzebul. Têm sempre “as más línguas”. Começa, assim, uma discussão entre Jesus e essas pessoas.

O demônio destroi com vícios e guerras ou leva pelo caminho da mediocridade

 

Depois, o Papa concentra o seu pensamento sobretudo na última parte do trecho evangélico, no qual se destaca que quando o espírito impuro sai do homem, que vaga por lugares desertos buscando repouso e, não encontrando, volta para a casa da qual saiu, pega outros sete espíritos piores que ele e ali fixam morada. E a última condição daquele homem se torna pior do que a primeira.

Isso leva o Papa a dizer que quando o diabo não pode destruir uma pessoa através dos vícios, ou um povo com as guerras e as perseguições, pensa em outra estratégia, “a estratégia que usa com todos nós”:

“Nós somos cristãos, católicos, vamos à Missa, rezamos....Parece tudo em ordem. Sim, temos os nossos defeitos, os nossos pecadinhos, mas parece tudo em ordem. E ele se faz “o educado”: vai, olha, procura uma bela quadrilha, bate à porta – “Dá licença? Posso entrar?”, toca a campainha. E estes demônios educados são piores que os primeiros, porque você não se dá conta que os tem em casa. E este é o espírito mundano, o espírito do mundo. O demônio ou destrói diretamente com os vícios, com as guerras, com as injustiças diretamente ou destrói educadamente, diplomaticamente neste modo que diz Jesus. Não fazem barulho, se fazem de amigos, persuadem você – “Não, vai, não faz tanto, não, mas...até aqui está bem” – e levam você pelo caminho da mediocridade, fazem você um “morno” no caminho da mundanidade”.

Os demônios educados que convencem não serem tão inimigos assim

 

Francisco então adverte quanto à queda “nesta mediocridade espiritual, neste espírito do mundo”: “Mas estas coisas não são tão ruins. E o espírito do mundo nos arruína, nos corrompe por dentro.

“Tenho mais medo destes demônios do que dos primeiros”, afirma Francisco. “Eu não me preocupo tanto, como quando vejo essas pessoas que abriram a porta aos demônios educados, para aqueles que – explica o Papa – convencem de dentro de que eles não são tão inimigos”:

Muitas vezes eu me pergunto: o que é pior na vida de uma pessoa? Um pecado claro ou viver no espírito do mundo, da mundanidade? Que o demônio coloque você em um pecado - também, não um, vinte, trinta pecados, mas claros, que você se envergonha - ou que o demônio esteja à mesa com você e viva, more com você e está tudo normal, mas alí, dá a você as insinuações e possui você com o espírito da mundanidade?”

Vigilância e calma

 

O espírito da mundanidade é este: “aqueles que trazem os demônios educados”, continua o Papa, recordando também a oração:

Diante destes demônios educados que querem entrar pela porta de casa como convidados para o casamento, dizemos: “Vigilância e calma”. Vigilância: esta é a mensagem de Jesus, a vigilância cristã. O que acontece no meu coração? Por que sou assim medíocre? Porque sou assim morno? Quantos “educados” habitam em casa sem pagar aluguel?

Ouça e compartilhe!
Veja um trecho da homilia do Santo Padre
12 outubro 2018, 11:10
Leia tudo >