Busca

Vatican News
Shahbaz Bhatti Shahbaz Bhatti 

Shahbaz Bhatti, dez anos da morte do defensor dos cristãos e dos oprimidos

Nesta terça-feira comemora-se o décimo aniversário do assassinato do ministro das Minorias do Paquistão, um defensor ferrenho dos direitos dos marginalizados e oprimidos. A recordação de seu irmão, Paul.

Francesca Sabatinelli – Vatican News

Sua sentença de morte foi o seu compromisso em defender a liberdade de fé e sua convicção de que tinha que mudar a lei anti-blasfêmia, uma lei que em 2010 havia condenado à morte Asia Bibi, a quem ele defendeu com muita força. Clement Shahbaz Bhatti foi assassinado aos 42 anos de idade em Islamabad na manhã de 2 de março de 2011, quando ia trabalhar. Ele era ministro das Minorias, o único ministro católico do governo do presidente Asif Ali Zardari. Seus esforços durante esses anos incluíram numerosas medidas de apoio às minorias religiosas. Bhatti também foi o responsável da Consulta Nacional Inter-Religiosa, uma organização que reuniu líderes religiosos de todas as religiões de todo o Paquistão, e que chegou a elaborar uma declaração conjunta contra o terrorismo.

Trabalho incansável ao lado dos últimos

Sua ação sempre foi inspirada no bem para com os marginalizados e oprimidos, na adesão total à luta pela igualdade humana, pela justiça social e pela liberdade religiosa. Sua morte foi reivindicada pelo grupo Tehrik-i-Taliban Paquistão, o movimento dos talibãs no Paquistão, que o chamou de blasfemador de Maomé. Cinco anos após sua morte, uma causa de beatificação foi aberta em 2016. Paul Bhatti, seu irmão, de 2011 a 2014 Ministro da Harmonia e das Minorias, há dez anos mantém viva a memória e as iniciativas de Shahbaz, a única saída, explica ele, do terrorismo e do ódio e "todos os anos - conta ele ao Vaticano News - registramos um progresso".

R. - Com relação ao que ele começou, em termos da luta contra a injustiça, ainda hoje se ouve repetir sua mensagem, e toda esta batalha não é apenas para a proteção dos cristãos, mas é contra qualquer injustiça contra qualquer pessoa, seja muçulmana, sikhs ou hindus, no Paquistão, bem como em outros países, onde, em nome da religião ou do extremismo, existem tantas injustiças. Todas as pessoas que querem defender a dignidade humana e a igualdade de direitos para todos, compreendem que a ideia de Shahbaz é muito importante. Ele começou como a voz da justiça, e depois esta batalha se intensificou contra o extremismo e o terrorismo. Agora existe a emergência Covid, mas antes tínhamos terrorismo e fanatismo em todo o mundo, especialmente nas sociedades mais pobres, como o Paquistão, onde os cristãos eram marginalizados, eles eram os oprimidos, não integrados na sociedade. Ele começou com a ideia de integrar os mais pobres, as pessoas mais fracas na sociedade, para tornar suas vidas mais dignas, para fazê-los entender que também eles tinham seus direitos, porque muitas pessoas viviam tão oprimidas que acreditavam que esse era seu destino. Ele tentou fazer essas pessoas entenderem que tinham direitos como todas as outras pessoas.

Tudo isso se manifestou no Paquistão com várias mudanças e reformas. Dois exemplos: antes de sua entrada na política, no Paquistão, não estava previsto que as minorias religiosas pudessem estar presentes no Senado, ele garantiu, com sua luta, que hoje elas possam estar presentes no Senado. A segunda mudança importante no Paquistão foi a integração das pessoas mais fracas, ou seja, a possibilidade de acesso aos concursos públicos, para as quais os muçulmanos eram normalmente selecionados, sendo a maioria. Os marginalizados e oprimidos permaneciam assim, quando ele viu a dificuldade de integração dessas pessoas, justamente porque não podiam ter acesso aos concursos, pediu para fixar uma cota de 5% para as minorias, e hoje há muitas pessoas no Estado, em funções governamentais, incluindo advogados e juízes.

 

 

02 março 2021, 13:40