Busca

Vatican News
Black Friday Black Friday  (ANSA)

Black Friday: um festival de consumo voraz

"Vivemos em tempos difíceis, nossas economias foram muito afetadas. No entanto, não acredito que a resposta seja promover um consumismo voraz que gera indiferença e anula nossa capacidade de compaixão". Reflexões de Genaro Ávila-Valencia, especialista em mercados e religioso da Companhia de Jesus sobre o fenômeno comercial conhecido como "Black Friday”.

Genaro Ávila-Valencia

Alguns países mais ricos economicamente são apresentados como modelos culturais que são impostos aos países menos desenvolvidos, como o Papa Francisco nos lembra em sua encíclica Fratelli tutti; além disso, esta disparidade econômica produz nos países pobres uma situação muito triste e superficial de nostalgia que leva a copiar e comprar em vez de criar. O que muitas vezes está por trás da imagem de um país de sucesso econômico são as muitas vozes que gritam em silêncio e os muitos ombros que carregam o peso de um sistema baseado no consumo excessivo.

Ouça e compartilhe!

É o caso, por exemplo, do Black Friday estadunidense, um festival de consumismo, um desfile de "ofertas" e um vai e vem de cartões de crédito que deslizam ao ritmo dos "meses sem juros" até as pessoas se endividarem o máximo possível porque, como se diz: quem não deve nada, não tem nada.

Palavras que sirvam de antídoto à febre consumista

Sou especializado em mercados por profissão e um religioso por vocação, o que me dá a possibilidade de contemplar a realidade de um ponto de vista particular e às vezes contraditório. Isso também significa que fui vítima e “vitimizador” de um sistema econômico baseado fundamentalmente no consumo exagerado de produtos, serviços e experiências. Tenho testemunhado o infinito ciclo de produção gerado pelo consumismo: desde a idealização e design do produto, até a obtenção da matéria-prima, sua transformação, distribuição e venda final para repetir o processo uma e outra vez. Portanto, gostaria de oferecer algumas palavras na esperança de que nos ajudem como antídoto para a inevitável febre consumista que nos leva a consumir até nós mesmos como se fôssemos também meras mercadorias ou objetos.

Como vítimas nos tornamos escravos de nossos desejos

O ponto central que gera e sustenta o consumismo não é a satisfação das necessidades, mas o prazer dos desejos. Desejos que, seduzidos pelo marketing e pela publicidade, tornam-se insaciáveis ao ponto de quase se tornarem uma necessidade fundamental. Os especialistas em mercados e as grandes agências de publicidade sabem bem que os desejos são poderosos e complexos; sabem que são dinamizadores de nossa psique, por isso são o ponto de engancho na sensibilidade de uma pessoa exposta a um mundo saturado de atacado com ofertas publicitárias estimulantes: produtos, serviços, experiências, sensações, sinais, marcas e um infinito etcétera. O fato é que no desejo reside uma força tal que é capaz de nos impulsionar a fazer qualquer coisa para que nunca possa satisfazê-lo. Quando esse impulso é excessivo e mal orientado pode nos desorientar a tal ponto que corremos o risco de obscurecer nossos sentidos, nossa inteligência e nossa vontade; então nos tornamos escravos de nossos desejos mais caprichosos e muitas vezes primitivos, procurando encher um barril que não tem fundo.

Espiritualidade Inaciana

Da espiritualidade inaciana aprendi que Deus habita em desejos, aqueles desejos que nascem do fundo do coração como uma fonte que dá vida, como uma fonte que flui e corre e nos impele a sair de nós mesmos para nos colocarmos ao serviço dos outros e, ajudados por sua graça, para saciar sua sede. Como cristãos, sempre fomos chamados a crescer e dar frutos, mesmo no meio da plantação, somos trigo e joio. Daí a importância de discernir e saber distinguir, em meio do tumultuado mercado de ofertas e promoções, qual é a voz silenciosa do Senhor que nos chama no clamor de seu povo e nos convida a colaborar alegremente com Ele. Também a não nos deixarmos levar por uma cultura consumista baseada em estímulo-resposta que busca apenas anestesiar nosso vazio existencial e nossas carências afetivas. Vivemos em tempos difíceis e, é verdade, nossas economias foram muito afetadas. No entanto, não acredito que a resposta seja promover um consumismo voraz que gera indiferença e anula nossa capacidade de compaixão.

Estender a mão ao pobre

A chave é nos deixarmos comover pela pobreza e não nos tornarmos consumidores cúmplices e insaciáveis. Quem sabe ouviremos o convite para estender a mão aos pobres, o que implica consumir menos e compartilhar mais para não tentarmos preencher o tédio de nossos dias cinzentos com produtos e serviços que nos prometem uma felicidade muito efêmera. Estender a mão aos pobres é estar consciente de que nestes tempos de pandemia há pessoas que estão passando por um momento muito difícil. Peçamos a graça de ouvir o convite, gentil, delicado e sutil, que nos convida a ser compassivos com os pobres e compartilhar com eles o que temos, seja pouco ou muito. Que oferta ressoa em seu coração?

26 novembro 2020, 12:38