Busca

Vatican News
Israel Israel  (AFP or licensors)

Coronavírus: novo lockdown em Israel a partir de sexta-feira

No mundo há quase 29 milhões de casos de coronavírus, enquanto as mortes superam 920 mil. Só nas últimas 24 horas, houve 307 mil novos casos confirmados e, segundo cálculos da Organização Mundial de Saúde, nunca houve um número tão elevado desde o início da pandemia. Entretanto, Israel, devido ao aumento do número de casos, irá fechar novamente.

Marina Tomarro – Vatican News

Um novo lockdown de três semanas em Israel a partir das 14 horas da próxima sexta-feira, com o início das festas judaicas, mas com uma margem de espaço para algumas atividade econômicas. Esta é a decisão tomada pelo governo do país. Fecharão escolas, restaurantes, centros comerciais e hotéis e os cidadãos enfrentarão restrições à circulação e encontros. "O nosso objetivo é deter o aumento do contágio e conseguir uma menor mobilidade - disse o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, numa mensagem à nação. Sei que estes passos têm um preço alto para todos nós - acrescentou ele -,  estas não são as férias a que estávamos habituados".

Ouça e compartilhe

A situação no mundo

Entretanto, o vírus não pára nos Estados Unidos, onde existem mais de 6,5 milhões de casos de contágio. A situação é igualmente grave na Índia, onde, pelo terceiro dia consecutivo, foram mais uma vez superados os 90 mil casos de coronavírus. O número de mortes por causa da Covid-19 é de cerca de 80 mil. Foi o que informou o Ministério da Saúde em Nova Deli, que atualizou o número total de pessoas infectadas no país para 4.846.427. Na Europa, estável, mas ainda muito elevado, na França, Grã-Bretanha e Portugal.

Prosseguem os trabalhos sobre vacinas

Pequena diminuição de novos casos na Itália: outros 1.458 em 24 horas. Entretanto, a partir desta segunda-feira, na Sardenha, a ordem de testes obrigatórios no prazo de 48 horas após a chegada à ilha se não se apresentar no momento de embarque um certificado negativo. Entretanto, continua a pesquisa de uma vacina. "A Itália - explicou Domenico Arcuri, comissário extraordinário para a emergência Covid - participa no desenvolvimento de algumas vacinas europeias. Estamos há tempo trabalhando em alguns investimentos italianos importantes. Dentro de algumas semanas anunciaremos os primeiros dois. Queremos ser os primeiros a utilizar as suas doses e, sobretudo, deixar à Itália uma plataforma de pesquisa e desenvolvimento mais competitiva do que aquela que tínhamos antes".

 

14 setembro 2020, 10:22