Busca

Vatican News

Pelo menos 45 pessoas morreram no pior naufrágio deste ano na costa da Líbia

Um novo drama da migração vitimou pelo menos 45 pessoas no início desta semana. Entre elas, 5 crianças que perderam a vida no naufrágio ao largo da costa da Líbia: 37 são os sobreviventes. Por ocasião do sétimo aniversário da visita de Francisco a Lampedusa, em 8 de julho, o Papa novamente recordava o triste cenário no país, "nos campos de detenção, nos abusos e nas violências que os migrantes sofrem, nas viagens da esperança, nos resgates e nas rejeições".

Amedeo Lomonaco - Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

A trágica notícia foi dada por duas agências: a Organização Internacional das Migrações e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, destacando que a tragédia, que custou a vida de 45 pessoas, ocorreu na última segunda-feira, 17 de agosto. Esse foi o "pior naufrágio" registrado em 2020 na costa da Líbia.

Pelo menos 37 migrantes sobreviveram, provenientes principalmente do Senegal, Mali, Chade e Gana. Eles foram resgatados por pescadores locais e depois colocados em estado de detenção. O naufrágio supostamente teria ocorrido devido à explosão do motor da embarcação.

Porto da Líbia não é seguro

A Organização Internacional das Migrações e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados também denunciam "atrasos inaceitáveis no resgate no mar", reiterando que, como demostra também a prisão dos migrantes que conseguiram sobreviver, o porto da Líbia não é seguro. De acordo com as duas agências internacionais, as empresas da marinha mercante que oferecem ajuda aos migrantes não deveriam ser obrigadas a levar as pessoas de volta para a Líbia, mas deveriam receber imediatamente um "porto seguro".

A migração e o pontificado de Francisco

O Papa Francisco, na missa de aniversário da visita a Lampedusa, em 8 de julho deste ano, lembrou que "o encontro com o outro é também um encontro com Cristo. Ele mesmo nos disse isso. É Ele quem bate à nossa porta, faminto, com sede, estrangeiro, nu, doente, preso, pedindo para ser encontrado e assistido, pedindo para poder desembarcar”.

Durante o pontificado, o Pontífice se deteve muitas vezes sobre as tragédias e os sofrimentos ligados às migrações, às "viagens da esperança". No mesmo 8 de julho, por ocasião do sétimo aniversário da sua visita a Lampedusa, Francisco recordou, em particular, alguns outros aspectos dramáticos relacionados ao cenário na Líbia:

“Penso na Líbia, nos campos de detenção, nos abusos e nas violências que os migrantes sofrem, nas viagens da esperança, nos resgates e nas rejeições.”

E o Papa acrescentou: "A guerra é ruim, sim, nós sabemos, mas vocês não podem imaginar o inferno que se vive lá, naqueles campos de detenção. E essas pessoas vinham apenas com esperança e para atravessar o mar".

20 agosto 2020, 10:53