Busca

Vatican News

Covid. Bispos sul-africanos: num momento dramático, restabelecer a confiança

Na África do Sul, que tem mais de meio milhão de casos de Covid-19, aumentaram os relatos de acordos suspeitos entre funcionários do governo e empresas que fornecem materiais médicos de proteção. “É evidente que o atual escândalo de corrupção fez diminuir ainda mais a confiança da opinião pública na administração do Presidente e sua capacidade de erradicar o câncer da corrupção que está devorando a alma de nossa nação”, enfatizam os bispos

Vatican News

Ouça e compartilhe

Os bispos da África do Sul manifestaram-se sobre os casos muito graves no país de desvio e de corrupção sobre os fundos alocados para tratar os pacientes da Covid-19 e evitar a pandemia.

Embora estejamos profundamente chocados, a notícia da apropriação indébita de recursos públicos durante a pandemia não é uma grande surpresa. “Exortamos nossos líderes a cuidadosamente tomar conhecimento de como eles permitiram o desenvolvimento da cultura de impunidade contra a corrupção e, assim, criar um ambiente propício ao desvio de fundos para a Covid-19.”

Acordos suspeitos entre funcionários públicos e fornecedores

“Nos anos anteriores – observam os prelados –, apesar das graves acusações, não houve nenhuma prisão, nenhuma acusação para os políticos e suas famílias”, acrescentam eles numa declaração.

“Na África do Sul, que tem mais de meio milhão de casos de Covid-19, aumentaram os relatos de acordos suspeitos entre funcionários do governo e empresas que fornecem materiais médicos de proteção e pacotes de ajuda alimentar para os pobres.”

Os enfermeiros reclamaram da escassez generalizada de DPI (Dispositivos de Proteção Individual, ndr), levando a um aumento das infecções entre os profissionais da saúde e outros pacientes nos hospitais.

Resgatar a confiança dos cidadãos na Presidência

Os bispos se dirigem ao mandatário da nação sul-africana, o Presidente Cyril Ramaphosa, que havia se comprometido a conter a corrupção após os escândalos de seu antecessor, Jacob Zuma.

“É evidente que o atual escândalo de corrupção fez diminuir ainda mais a confiança da opinião pública na administração do Presidente e sua capacidade de erradicar o câncer da corrupção que está devorando a alma de nossa nação”, enfatizam.

“Portanto, apelamos ao Presidente para que tome medidas corajosas para restaurar a confiança dos cidadãos na Presidência como instituição.”

Reintroduzir unidade especial anticorrupção

“A eficácia da batalha atual contra a pandemia e a recessão econômica exige uma ação imediata da Presidência, que tem a capacidade de atrair níveis significativos de confiança pública.”

“Durante estes tempos difíceis em nossa nação, quando a vida e a subsistência de milhões de pessoas estão em jogo, o país não pode permitir-se altos níveis de déficits de confiança no governo e no gabinete do Presidente”, ressalta a declaração.

Os bispos concluem pedindo a reintrodução da unidade especial anticorrupção da Polícia (os Scorpions) e o fortalecimento dos tribunais especializados em casos de corrupção.

(Fides)

21 agosto 2020, 14:12