Busca

Vatican News
Escola atacada em Dpachi Escola atacada em Dpachi  (AFP or licensors)

Povoados no norte da Nigéria à mercê de ataques armados e saques

Padre Patrick Alumuku, diretor de comunicação da Arquidiocese de Abuja, relata a existência de infiltrações de grupos nômades Fulani provenientes do Níger, Chade e Mali. "Ultimamente – diz o sacerdote ao Vatican News - estão indo por tudo, em grupos de 40, mas também em 100 ou 200 pessoas, atacando povoados e pegando tudo o que podem, depois fogem."

Giada Aquilino - Cidade do Vaticano

Eram cerca de 150, chegaram bem armados em motocicletas e começaram a atirar nos habitantes de seis povoados no Estado de Katsina, no noroeste da Nigéria, antes de saquear lojas e roubar gado, em um ataque que durou cinco horas e deixou ao menos 57 vítimas.

O relato é dos moradores de Kadisau, Hayin Kabalawa, Garke, Makera, Kwakwere e Maiganguna, que falam da milésima ação desses grupos de "bandidos", que além de semear terror e morte na região, também cometem sequestros com o objetivo de obter dinheiro pago pelo resgate. Desde 2011, essa violência causou pelo menos 8.000 mortes e mais de 200.000 pessoas deslocadas.

"Há tempos, não oficialmente, foi dada a possibilidade de entrada na Nigéria de grupos nômades Fulani, provenientes de outros países como Níger, Chade e Mali", contou ao Vatican News o padre Patrick Alumuku, diretor de comunicação da Arquidiocese de Abuja. "Milhares e milhares entraram na Nigéria e a pergunta que muitos se fizeram - destaca - é por que foi permitido que isso acontecesse".

Entre 50 e 100 mil Fulani na Nigéria

 

"No começo – continua o sacerdote -, pensava-se que eles haviam entrado por ocasião das eleições ou para participar de alguma batalha, pois aconteceu que o governo liderado pelo presidente Muhammadu Buhari, também ele Fulani, não deu a eles uma precisa localização. Então esses grupos começaram a atacar povoados em busca de comida e dinheiro".

“Ultimamente - acrescenta padre Alumuku - eles estão indo por tudo, em grupos de 40, mas também em 100 ou 200 pessoas, atacando povoados e pegando tudo o que podem, depois escapam. Pegam como alvo lugares onde sabem que podem encontrar algum dinheiro ou então povoados cristãos, sobretudo no norte. É um grupo que leva em frente a jihad: esta manhã nos jornais - relata ele - há um artigo que revela que os Fulani agora estão espalhados por todo o país e seriam entre 50 e 100 mil, do norte ao sul".

Leia também:

D. Kaigama: Corrupção e injustiças sociais alimentam pobreza e violência no País

Dom Kaigama exorta à oração pela convivência pacífica entre as religiões na Nigéria

Bispos protestam contra as violências de Boko Haram

Com assassinato de cristãos, terroristas querem criar conflito com muçulmanos, diz arcebispo nigeriano

Ligações com grupos jihadistas

 

O International Crisis Group (Icg) e vários observadores internacionais temem que o noroeste da Nigéria se torne uma "ponte" entre os vários movimentos jihadistas do Sahel e da região do Lago Chade, onde são ativos os extremistas do Boko Haram. Precisamente aos jihadistas do grupo do Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP), é atribuído o último ataque no nordeste do país africano, que deixou 81 mortos em Felo, no Estado de Borno.

"Sempre houve ligações entre grupos do Sahel, Boko Haram e as formações jihadistas", disse o diretor de comunicação da Arquidiocese de Abuja. "É como se todos fossem membros da mesma realidade: trabalham juntos, têm a mesma 'agenda' para a islamização do país. Tanto que nos últimos dias a Assembleia Nacional, onde se reúnem representantes de toda a Nigéria, foi solicitado ao governo para tomar medidas mais concretas para defender as populações locais".

12 junho 2020, 13:42